Giro

Manifestantes líbios dizem que protestos continuarão até que suas metas sejam alcançadas



TRÍPOLI (Reuters) – Manifestantes líbios dizem que continuarão protestando até que todas as elites governantes abandonem o poder depois que comícios na maioria das principais cidades na sexta-feira culminaram com uma multidão invadindo o prédio do Parlamento e incendiando partes dele.

Os manifestantes realizaram sua maior manifestação em Trípoli em anos, cantando slogans contra as elites políticas rivais da Líbia, e manifestantes bloquearam estradas em Benghazi e Misrata e incendiaram prédios governamentais em Sebha e Qarabuli.

“Afirmamos nossa determinação de continuar o caminho da manifestação pacífica até o último suspiro para alcançar nossos objetivos”, disse o movimento juvenil de Beltrees, que se concentra principalmente no ativismo online sobre as condições de vida e estava por trás dos protestos em 2020, nas redes sociais.

O movimento disse que ocupará ruas e praças da cidade até que todos os órgãos políticos governantes “anunciem sua renúncia em público”.




O fato de os protestos estarem acontecendo em todo o país mostra a crescente frustração dos líbios em ambos os lados da principal divisão política entre facções orientais e ocidentais que estão em guerra há anos.

As eleições nacionais colapsaram em dezembro, levando facções políticas rivais a um impasse sobre o controle do governo que empurrou a Líbia de volta ao conflito enquanto os serviços públicos se deterioravam.

Após a eleição fracassada, a Câmara dos Deputados, com sede no leste, disse que o governo interino de Abdulhamid al-Dbeibah em Trípoli não era mais válido e nomeou Fathi Bashagha como primeiro-ministro.


Dbeibah, no entanto, se recusou a ceder o poder, e outro órgão legislativo, o Alto Conselho de Estado, rejeitou as medidas do parlamento. O Parlamento e os líderes do conselho conversaram em Genebra esta semana, mas não fizeram nenhum avanço. 

(Por Ahmed Elumami, texto por Angus McDowall)