Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

Mais vinho, por favor!

Mais vinho, por favor!

O baixíssimo consumo de vinho no Brasil – apenas 1,9 litro por habitante por ano, contra 20,1 litros na vizinha Argentina, por exemplo – está na base da criação da Pró-Vinho. A iniciativa, criada pelo consultor Márcio Marson e lançada na terça-feira 29, em São Paulo, tem o grande mérito de unir associações que antes costumavam brigar entre si. Fazem parte da Pró-Vinho a ABBA, que representa os importadores de bebidas; o Ibravin, dos produtores de vinhos brasileiros; a Abras, dos supermercados; e a Abrasel, de bares e restaurantes. A ideia do grupo é promover a cultura e, principalmente, o consumo do vinho no Brasil – hoje o 17º mercado da bebida no mundo em volume.

(Nota publicada na Edição 1106 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Felipe Mendes)


Mais posts

Wessel na China

Um dos maiores especialistas em carnes do País, o empresário István Wessel, dono da fabricante de hambúrgueres que leva seu sobrenome, [...]

Carlos Wizard não perde o apetite

O bilionário Carlos Wizard Martins, dono do Grupo Sforza e controlador de redes como Pizza Hut, Taco Bell e KFC, parece não perder a [...]

Tranquilidade na terceira idade

Em um país com cerca de 35 milhões de pessoas com mais de 60 anos e cuja projeção é atingir 58 milhões em 2060, serviços voltados para [...]

A mulher por trás dos rótulos

A executiva Isabela Monteiro Galli, comandante da americana Avery Dennison no Brasil, se tornou uma fonte de motivação para os mais de [...]

Mais dinheiro para a baixa renda

De olho em um público com dificuldades em obter empréstimos, a Firgun, plataforma de investimentos coletivos, quer ampliar o número de [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.