Giro

Mais sinais de instabilidade de geleira gigante na Antártica

Crédito: Reprodução/Unsplash

Se esta geleira e as vizinhas avançarem totalmente no oceano, os mares do mundo poderão subir vários metros nos próximos séculos. (Crédito: Reprodução/Unsplash)

Uma plataforma de gelo da geleira da Ilha de Pine perdeu cerca de um quinto de sua área total entre 2017 e 2020, em três colapsos, enquanto a geleira acelerou em 12%.

O resto da plataforma de gelo, dizem os autores de um novo estudo da Universidade de Washington e do British Antarctic Survey publicado na revista Science Advances, pode desaparecer muito mais cedo do que estudos anteriores sugeriram.

+ Geleiras perdem gigatoneladas de gelo por ano e eleva o nível do mar

Por décadas, a plataforma de gelo que ajuda a conter uma das geleiras que se movem mais rapidamente na Antártica tem se reduzido gradualmente. A análise de imagens de satélite revela um processo mais dramático nos últimos anos: entre 2017 e 2020, grandes icebergs na borda da plataforma de gelo se quebraram e a geleira acelerou.



Como as plataformas de gelo flutuantes ajudam a conter a maior massa de terra da geleira, a recente aceleração devido ao enfraquecimento da borda pode encurtar o prazo para o eventual colapso da geleira da Ilha Pine no mar.

A Geleira Pine Island contém aproximadamente 180 bilhões de toneladas de gelo, o que equivale a 0,5 metros de elevação global do nível do mar. Já é responsável por grande parte da contribuição da Antártica para o aumento do nível do mar, causando cerca de um sexto de milímetro de aumento do nível do mar a cada ano, ou cerca de dois terços de uma polegada por século, uma taxa que se espera que aumente.

Se esta geleira e as vizinhas Thwaites avançarem totalmente no oceano, liberando seu domínio sobre a maior camada de gelo da Antártica Ocidental, os mares do mundo poderão subir vários metros nos próximos séculos.

Essas geleiras têm chamado a atenção nas últimas décadas, à medida que suas plataformas de gelo se afinaram devido às correntes oceânicas mais quentes derreterem o fundo do gelo. De 1990 a 2009, o movimento da geleira da Ilha de Pine para o mar acelerou de 2,5 quilômetros por ano para 4 quilômetros por ano. A velocidade da geleira se estabilizou por quase uma década.

Entre 2017 e 2020, a plataforma de gelo de Pine Island perdeu um quinto de sua superfície em rupturas dramáticas que foram capturadas pelos satélites Copernicus Sentinel-1, operados pela Agência Espacial Europeia. Os pesquisadores analisaram imagens de janeiro de 2015 a março de 2020 e descobriram que as mudanças recentes na plataforma de gelo não foram causadas por processos diretamente relacionados ao degelo do oceano.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km