Mundo

Mais de 110 clientes são multadas por violar lockdown em jantar clandestino em Paris

PARIS (Reuters) – Mais de 110 pessoas jantando em um restaurante clandestino foram multadas na noite de sexta-feira por violarem o lockdown contra a Covid-19, afirmou a polícia de Paris, dias depois de o governo negar acusações de que ministros participaram de jantares similares.

A batida no 19º arrondissement da capital francesa foi a mais recente ação policial contra restaurantes quebrando as regras para oferecer aos clientes uma amostra da vida pré-pandêmica.

Restaurantes, bares e cafés estão fechados para clientes consumirem no local há meses, e a frustração do público está crescendo em meio a um terceiro lockdown nacional e outra onda de infecções por coronavírus.

“Clientes multados por não respeitarem as medidas sanitárias. Organizador e gerentes detidos”, disse a polícia da cidade no Twitter.

Em outro incidente, dezenas de clientes foram sancionados por comerem em um restaurante no subúrbio de Saint-Quen, em Paris, durante a hora do almoço da sexta-feira.

O governo do presidente Emmanuel Macron negou alegações de um empresário na emissora de televisão M6 de que havia organizado vários jantares ilegais com participação de ministros.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

O empresário, Pierre-Jean Chalencon, posteriormente recuou em seus comentários sobre a presença de ministros, mas o assunto continua a assombrar o governo.

(Reportagem de Richard Lough)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel