Economia

Maioria dos dirigentes do Fed vê movimento de redução do balanço no fim do ano

Os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) concordaram, em sua reunião de política monetária de março, em começar a diminuir o balanço patrimonial da instituição, de US$ 4,5 trilhões em títulos do Tesouro e títulos hipotecários, no fim deste ano. No entanto, os dirigentes continuem indecisos sobre algumas questões táticas importantes, como o nível e a rapidez com que essa redução deve ocorrer, de acordo com a ata da última reunião, divulgada nesta quarta-feira.

A ata da reunião de 14 e 15 de março ajudam a responder a uma pergunta sobre os mercados no últimos meses. O banco central vem telegrafando os aumentos nas taxas de juros há anos, mas não tem se comprometido em como irá lidar com os títulos que adquiriu por meio de programas de compras de ativos durante e após a recessão de 2007 a 2009. Esses programas foram destinados a manter as taxas de juros de longo prazo e impulsionar o crescimento econômico

Reduzir o balanço poderia fazer com que as taxas de longo prazo avançassem e minassem a expansão econômica. A participação do Fed cresceu de menos de US$ 1 trilhão antes da crise econômica para US$ 4,5 trilhões.

“A maioria dos dirigentes antecipou que uma alta gradual nos juros continuaria, e julgou que a mudança na política de reinvestimento provavelmente seria apropriada ainda este ano”, diz a ata. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

balanço EUA Fed