Finanças

Maioria das Bolsas na Europa fecha em baixa, com incertezas após BCE

Crédito: Reprodução/Bolsa de Londres

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,67%, a 408,41 pontos (Crédito: Reprodução/Bolsa de Londres)

As bolsas europeias tiveram sessão volátil, recuando na sua maioria. Os mercados chegaram a ganhar fôlego após o Banco Central Europeu (BCE) manter sua política monetária e com a força de Nova York, mas o movimento perdeu força.

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em queda de 0,59%, a 367,48 pontos.

+ Bolsas da Ásia fecham mistas, após recuperação de NY e medidas na China
+ Londres nega ultimato da UE para retirar seu plano de modificar o Brexit

A decisão de manter a política monetária por parte do BCE era esperada, mas algumas sinalizações foram percebidas como de risco. Na coletiva de imprensa que se seguiu, a presidente do banco, Christine Lagarde, mencionou o câmbio, no que o Erste Group avaliou: “A menção explícita à taxa de câmbio é nova e provavelmente representa um primeiro estágio de escalada que sinaliza aos mercados as preocupações do BCE”.



Em Frankfurt, sede do BCE e importante centro financeiro, o DAX recuou 0,21%, a 13.208,89 pontos.

O coronavírus segue levando incerteza e volatilidade à Europa, com o medo de uma segunda onda ainda presente. Analistas apontam que os índices macroeconômicos ainda não mostraram uma recuperação mais robusta no continente, o que vem limitando ganhos no mercado desde junho. Além disso, há a apreensão com o resultado das eleições nos Estados Unidos, com preocupações sobre uma série de questões, particularmente o impasse sobre novos estímulos fiscais no país.

Em Paris, o CAC 40, de Paris, caiu 0,38% a 5.023,93 pontos.

Em Madri, o IBEX 35 teve baixa de 0,31%, a 6.999,20 pontos.

Em Lisboa, o PSI 20 caiu 0,64%, a 4.326,02 pontos.

Fora da zona do euro, o FTSE 100, da Bolsa de Londres, também registrou baixa, com queda de 0,16%, a 6.003,32 pontos, com o Brexit ainda no radar. Nesta quinta, a Comissão Europeia afirmou que o Reino Unido tem obrigação legal de cumprir integralmente o acordo de saída da União Europeia.

O LPL Financial apontou uma série de questões às quais o mercado vem prestando atenção, e além das já citadas estão: recuperação econômica impulsionada por estímulos; a dúvida se a alta das ações foi muito grande e rápida; e ainda as tensões entre China e Estados Unidos.

Em Milão, o FTSE MIB avançou 0,25%, a 19.820,22 pontos, sendo a única das principais bolsas a registrar alta na sessão. A ação da Fiat Chrysler registrou alta de 2,85%. Entre os bancos, BPM subiu 7,24%, destacando-se entre os papéis mais negociados, e Intesa Sanpaolo, 0,61%.

*Com informações Dow Jones Newswires

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago