Sustentabilidade

Maiores geleiras da Groenlândia derreterão mais rápido do que o esperado, aponta estudo

Crédito: Arquivo/AFP

As três maiores geleiras da Groenlândia podem derreter mais rápido do que as previsões mais pessimistas, segundo pesquisas - AFP (Crédito: Arquivo/AFP)

As três maiores geleiras da Groenlândia – que contêm água congelada o suficiente para elevar o nível do mar global em cerca de 1,3 metro – podem derreter mais rápido do que as previsões mais pessimistas, mostraram pesquisas publicadas nesta terça-feira (17).

Até 2000, o principal fator para o aumento do nível do mar era o derretimento das geleiras e a expansão da água do oceano com o aquecimento.

+ Reino Unido vai proibir a venda de carros a gasolina até 2030
+ Meteorito destrói telhado e deixa morador milionário

Mas, nas últimas duas décadas, os mantos de gelo do mundo sobre a Groenlândia e a Antártica se tornaram a maior fonte individual de elevação do nível do mar.



Uma equipe de pesquisadores com base na Dinamarca e na Grã-Bretanha usou imagens históricas e uma série de outros dados para estimar quanto gelo foi perdido nas geleiras Jakobshavn Isbrae, Kangerlussuaq e Helheim da Groenlândia no século XX.

Eles descobriram que Jakobshavn Isbrae perdeu mais de 1,5 trilhão de toneladas de gelo entre 1880-2012, enquanto Kangerlussuaq e Helheim perderam 1,4 trilhão e 31 bilhões de toneladas de 1900-2012, respectivamente.

O derretimento do gelo já contribuiu com mais de oito milímetros para o nível do mar no mundo, afirmaram os pesquisadores.

Shfaqat Abbas Khan, pesquisador da Universidade Técnica da Dinamarca, afirmou que o uso de fotos tiradas antes da era do satélite foi outra ferramenta para ajudar a recriar a perda de gelo do século passado.

“Medições históricas ao longo dos séculos XIX e XX podem ocultar informações importantes que podem melhorar significativamente nossas projeções futuras”, explicou o pesquisador à AFP.

O painel de ciências climáticas da ONU, o IPCC, previu um aumento do nível do mar de todas as fontes entre 30-110 centímetros até 2100, dependendo das emissões.

Na previsão da IPCC de alta nas emissões, conhecida como RCP8.5, nada é feito para reduzir a poluição por carbono ao longo do século XXI, levando a um clima mais de 3ºC mais quente do que os níveis pré-industriais.

Os modelos executados em RCP8.5 para as três geleiras apresentadas no estudo de terça-feira preveem um aumento do nível do mar de 9,1-14,9 mm até 2100.

Mas o artigo, publicado na revista Nature Communications, apontou que o aumento da temperatura da previsão de altas emissões foi mais de quatro vezes maior do que durante o século XX, quando as três geleiras aumentaram o nível do mar em 8 mm.

“O pior cenário é subestimado. A perda de gelo pode ser três ou quatro vezes maior do que o previsto anteriormente para as três geleiras consideradas neste estudo”, disse Khan.

Um estudo publicado em setembro descobriu que, se as emissões de gases do efeito estufa continuarem inabaláveis, as camadas de gelo na Groenlândia irão liberar cerca de 36 trilhões de toneladas neste século, o suficiente para elevar o nível de água global em cerca de 10 centímetros.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km