Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores

Maior encontro sobre diversidade no Brasil

Maior encontro sobre diversidade no Brasil

A diversidade ajuda a construir uma sociedade mais justa e igualitária para todos

São Paulo sediará, em dezembro, o “Fórum Brasil Diverso” no Museu da Imagem e do Som (MIS). Com formato inovador e criado a partir de uma iniciativa pioneira sobre inclusão racial e de gênero, o evento tem como objetivo incentivar empresas brasileiras a implementar esse tema no seu cotidiano.

Annie Jean-Baptiste, líder global de inclusão da Google dos Estados Unidos

O Brasil é um dos 15 países com maior desigualdade do mundo e no ambiente corporativo a situação não é diferente. A falta de representatividade de negros em cargos estratégicos apenas faz com que o mercado mantenha esse ciclo de exclusão racial. Tenho alertado aqui neste blog o longo caminho que o País ainda precisa percorrer para que a igualdade de raça e gênero alcance patamares aceitáveis para o pleno desenvolvimento humano.

Andrea Assef, diretora de marketing e vomunicação da J. Walter Thompson Brasil

Nesta primeira edição do “Fórum Brasil Diverso” nomes de peso nacionais e internacionais estarão discutindo o que vem ocorrendo de mais relevante nessa questão no mundo do trabalho. Nomes como: Annie Jean Baptiste, dos Estados Unidos, responsável pela área de diversidade do Google no mundo, será uma das palestrantes do encontro que também contará com as presenças de Norman Barclift, diretor de marketing da Bayer América Latina e Estados Unidos; Maria Cristina Sampaulo, vice-presidente de Recursos Humanos do Goldman Sachs Brasil, entre outros.

São esperadas cerca de 200 pessoas, entre elas, presidentes das organizações, profissionais da área de recrutamento e especialistas.

Norman Barclift, diretor de marketing da Bayer América Latina e EUA

Um dos mediadores do encontro, Theo Van der Loo, ex-presidente da Bayer, é enfático ao dizer que: “Se mais de 50% da população é negra, é justo que haja um reflexo do que é a sociedade nas corporações, sobretudo nos cargos de comando.”

Maria Cristina Sampaulo, vice-presidentew de Recursos Humanos da Goldman Sachs Brasil

Conscientizar as empresas brasileiras é o primeiro passo para conseguir eliminar os problemas decorrentes do escravismo, e, com isso, levar empresas a entenderem a importância da equidade racial e de gênero. Mostrar que não há distinção de riqueza de talento e capacidade entre brancos e negros é essencial para fortalecermos a economia e criar uma sociedade mais justa. Esse pensamento parece ser uma unanimidade neste fórum.


Sobre o autor

O blog Diversidade Corporativa, de Mauricio Pestana, ex-secretário de Igualdade Racial do município de São Paulo, é um espaço destinado à reflexão e ao debate sobre o panorama da diversidade racial e de gênero no mundo empresarial. Traz temas relacionados a políticas afirmativas e inclusão social e apresenta soluções para fomentar o desenvolvimento socioeconômico da população historicamente excluída da economia e ambiente corporativo no Brasil


Mais posts

Primavera da inclusão

Setembro sempre traz inspiração. Mês de renascer, florescer, afinal, é primavera. Neste contexto realizei duas palestras em dos bancos [...]

A diversidade no centro do debate

Há mais de 30 anos acompanho a evolução das ações afirmativas no Brasil. Inicialmente lenta, que eu me recordo apenas três empresas [...]

A Copa da Diversidade

Uma das frases que costuma encerrar meus depoimentos e palestras, quando falo sobre diversidade, é o exemplo que o Brasil tem dado para [...]

Parada do orgulho LGBT e inclusão nas empresas

Na semana em que a cidade de São Paulo prepara-se para receber a 22ª Parada do Orgulho LGBT, agendada para o próximo domingo, [...]

Equidade racial e de gênero em debate com CEOs

Com o objetivo de discutir diversidade no âmbito corporativo, principalmente a partir da inserção de negros e negras em cargos [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.