Edição nº 1138 16.09 Ver ediçõs anteriores

Mães, na era da diversidade

Como retratar as mães de hoje, independentes, muitas solteiras, e que por vezes têm até trocado de papel com seus companheiros, de teórica e tradicionalmente cuidar e educar os filhos?

Mães, na era da diversidade

Crédito: Caltech/AFP

Já há algum tempo a publicidade tem se deparado com a difícil tarefa de retratar a diversidade racial, de gênero, sexual, étnica, religiosa e cultural da gigantesca aldeia global na qual o Brasil e o mundo se conectaram desde o advento da globalização principalmente neste início de século XXI.

Tarefa difícil se lembrarmos que até pouco tempo o padrão imposto era o do mercado norte-americano cuja principal referência era o modelo jovem, branco (de preferência loira no caso feminino), recatada e do lar, cantada em verso e prosa pelo ex-presidente Temer.

Porém, de uns tempos para cá impulsionado pelo ambiente corporativo que enxergou a necessidade de atender à diversidade que compõe toda a estrutura social de um mundo cada vez mais diferente, as agências de publicidade, nos últimos anos, têm procurado se adequar a esse momento, sobretudo, por conta dos olhares mais atentos desses novos consumidores mais informados, mais críticos e também mais diversos.

Para analisarmos a profundidade do quanto isso realmente tem afetado a nossa realidade é perceptível nesses períodos de campanhas globais, como dia das mães, dos pais, natal e até namorados, o desafio imposto para profissionais da área, de retratar o ambiente social e familiar que tem se transformado na velocidade dos novos tempos.

Exemplo: como retratar as mães de hoje, mulheres cada vez mais independentes, muitas solteiras, e que por vezes têm até trocado com seus companheiros o papel de mães, aquele de teórica e tradicionalmente cuidar e educar os filhos com uma participação secundária do pai? E os casos cada vez mais comuns de casais do mesmo sexo que adotaram filhos e compartilham independentemente de sexo a difícil tarefa de serem pais e mães ao mesmo tempo?

Como publicitário de formação fico nesses períodos sempre atento e na expectativa de ser surpreendido por uma campanha que contemple todas essas inquietudes dos tempos de agora, tempos em que o respeito à diversidade é o ponto de partida para qualquer trabalho. E se esse respeito tem que ser pleno, como contemplar aqueles que não têm mais a presença física de suas mães, como é o meu caso?

São desafios que este início de século XXI tem trazido e que certamente mudarão em curto espaço de tempo não só na forma de nos relacionarmos, mas também no respeito para com o outro, independente do ser.


Mais posts

Influencers digitais negros: muito além do politicamente correto

Nomes como AD Júnior, Débora Luz, Sah Oliveira,Ana Paula Xongani e Spartakus transitam hoje facilmente entre ativismo politico por [...]

Diversidade na indústria 4.0

Ao analisarmos um dos pilares da indústria 4.0 que é IA -  Inteligência Artificial, é assustador a falta de diversidade em quem [...]

Diversidade deve ir além das fronteiras das companhias, diz Verônica Cook-Euell

Verônica Cook-Euell, gerente do programa de diversidade de fornecedores da Kent State University, ressalta importância da luta pela [...]

Diversidade nas empresas: produtividade X marketing

Tentando acompanhar essa tendência empresas brasileiras, em sua maioria, entraram nesse processo de forma atrasada e algumas [...]

Contra números não há argumentos

Separando o IDH de brancos e negros, temos dois países: um rico e desenvolvido, que figuraria entre as 50 maiores economias, e o outro [...]
Ver mais