Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Madame Clicquot, a primeira dama do champanhe

Madame Clicquot, a primeira dama do champanhe

Barbe-Nicole Clicquot Ponsardin fez história ao revolucionar o mercado de espumantes franceses em pleno século 19

A imagem de Barbe-Nicole Clicquot Ponsardin, estampada nas tampas que fecham as garrafas de champanhe, é clássica no mundo do vinho. É um reconhecimento do trabalho de Barbe-Nicole, que ficou viúva aos 27 anos, e trouxe muitas revoluções na maneira de elaborar e vender os espumantes franceses, isso no início do século 19.

A mais conhecida de suas invenções é a mesa de remuage, uma das técnicas que revolucionou a maneira de elaborar este espumante e é utilizada até hoje. Barbe-Nicole criou uma mesa, hoje chamada de pupitre, que permite que, como movimentos circulares na garrafa, os sedimentos da segunda fermentação desçam para o topo da garrafa inclinada e sejam retirados. Isso foi em 1816 e tornou os champanhes mais claros, sem sedimentos.

Mas seis anos antes, em 1810, ela já tinha feito o primeiro champanhe vintage (elaborado com uvas de uma única safra) registrado na região. Dois anos depois, em 1818, ela criou o primeiro champanhe rosado, ao misturar vinhos tintos da propriedade na bebida.

Do lado comercial, é conhecida a história da venda de seu champanhe para a Rússia, inclusive durante as guerras Napoleônicas. O rótulo laranja é, inclusive, uma homenagem ao czar, já que esta era a sua cor oficial. Há um livro bem interessante que conta a sua história e traz o início da saga deste que é um dos champanhes mais vendidos no mundo (é líder de mercado no Brasil, por exemplo). Escrito por Tila J.Mazzeo, o livro A Viúva Clicquot, lançado pela editora Rocco.


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.