Giro

Maconha pode causar ataques cardíacos em jovens adultos, diz estudo

Crédito: Reprodução/Pixabay

os cientistas descobriram que os jovens adultos que consumiram a droga sofreram quase o dobro de ataques cardíacos do que aqueles que não usaram maconha. (Crédito: Reprodução/Pixabay)

Fuma, vaporizar ou comer a Cannabis sativa (maconha) pode aumentar significativamente o risco de ataque cardíaco em adultos com menos de 45 anos, segundo publicado na última terça (7) no periódico científico Canadian Medical Association Journal.

De acordo com a emissora americana CNN, os cientistas descobriram que os jovens adultos que consumiram a droga sofreram quase o dobro de ataques cardíacos do que aqueles adultos que não usaram maconha.

+ Colômbia autoriza uso industrial de cannabis e sua exportação para fins medicinais

O estudo usou diferentes preparações da planta Cannabis, cuja substância psicoativa é o tetrahidrocanabinol, ou THC. Os pesquisadores analisaram mais de 33.000 adultos de 18 a 44 anos incluídos nos bancos de dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos entre 2017 e 2018.



Segundo a emissora, dos 17% dos jovens adultos que relataram usar cannabis nos últimos 30 dias, 1,3% tiveram ataque cardíaco e apenas 0,8% dos que não ingeriram maconha relataram o mesmo.

“Algumas pessoas presumem que consumir cannabis é seguro e não pode prejudicar seu corpo, mas isso não está certo. Há evidências crescentes de que pode ser potencialmente prejudicial a você, tanto a curto como a longo prazo”, afirma o pesquisador Karim Ladha, da Universidade de Toronto, no Canadá, principal autor do estudo, citado pela CNN.

Frequência cardíaca irregular

Apesar de a análise não ter levado em conta o efeito geral da cannabis sobre a saúde do coração, conforme Ladha, pesquisas anteriores mostraram que a droga pode afetar a frequência cardíaca do usuário.

Quando a frequência de batimentos cardíacos se torna irregular, o coração passa a ter necessidade de mais oxigênio, como mostra a emissora americana, e a maconha gera um efeito inverso, limitando a quantidade do gás entregue ao principal órgão do corpo.

“O que você acaba tendo é essa incompatibilidade de oferta e demanda de oxigênio que leva fundamentalmente a ataques cardíacos”, explica Karim Ladha à CNN.

A emissora lembra que a Associação Americana do Coração (American Heart Association) reconhece os benefícios potenciais do uso de cannabis para o alívio da dor e outros fins médicos, mas as consequências negativas não devem ser ignoradas.

Tanto os usuários quanto seus médicos devem equilibrar os riscos e benefícios da maconha.

Mas a associação não recomenda fumar ou vaporizar cannabis, independente da quantidade, devido aos danos aos pulmões.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km