Negócios

Luckin Coffee, principal concorrente da Starbucks, entra com pedido de IPO

Segundos sites internacionais, executivos esperam arrecadar até US$ 800 milhões com abertura de capital. Datas e número de ações não foram divulgadas

Luckin Coffee, principal concorrente da Starbucks, entra com pedido de IPO

Funcionário com entregas da Luckin Coffee em frente uma das cafeterias na China


A Luckin Coffeee, principal concorrente da Starbucks na China, protocolou nesta segunda-feira (22) pedido de oferta pública (IPO, na sigla em inglês) para a abertura de seu capital na Nasdaq, bolsa especializada em ações de tecnologia, nos Estados Unidos. O documento protocolado na Comissão de Valores Imobiliários não divulgou o número de ações que serão colocadas à venda.

Segundo reportagem do site Business Insider, fontes próximas da companhia afirmaram que os executivos esperam arrecadar até US$ 800 milhões. Pessoas que também preferiram não se identificar disseram que o IPO pode aumentar o valor de mercado da empresa dos atuais US$ 2,9 milhões para até US$ 5 milhões. A companhia recebeu um aporte de US$ 150 milhões durante uma rodada de investimentos neste mês.

Apesar das expectativas, a companhia atua no vermelho, com prejuízo de US$ 475,4 milhões no ano passado e receita total de US$ 125,27 milhões, segundo os documentos enviados para autoridades financeiras norte-americanas. A Luckin também disse que novas perdas poderão ocorrer no futuro.

A empresa chamou a atenção em todo o mundo pela sua rápida ascensão e por abalar os planos da maior cadeia de cafés do mundo no mercado chinês. A Luckin foi fundada em outubro de 2017 e conta com 2,3 mil pontos em 28 cidades da China. A empresa espera abrir mais 2,5 mil pontos até o fim deste ano. O mercado chinês é o maior para a rede norte-americana fora do seu país, com 3,7 mil pontos e projeção de 6 mil até o fim de 2022.

Apesar de atuarem no mesmo segmento, a Starbucks e a Luckin criam estratégias diferentes para atrair o público. Enquanto a norte-americana investe em espaços amplos, confortáveis e com rede ilimitada de internet, a rival da China se baseia em pequenos pontos e quiosques onde os clientes apenas retiram os cafés depois de terem feito o pedido on-line. A Luckin também se diferencia por ações de fidelização, como aceitar pagamentos através do seu aplicativo.