Negócios

Havan protocola desistência de oferta inicial de ações junto à CVM

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Por trás do gesto, no entanto, está o desejo dos empresários de poder comprar imunizantes para aplicar em seus funcionários (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)



A rede varejista Havan protocolou junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a desistência da realização de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). Segundo informações no site da autarquia, a desistência foi formalizada na segunda-feira, 26.

Segundo o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou no início deste mês, os bancos coordenadores já haviam recomendado que a Havan não finalizasse a operação nesta janela, por conta da alta volatilidade do mercado de ações.

+ Luciano Hang desiste de IPO da Havan em 2020
+ Havan prepara oferta de R$ 10 bi na B3, mas pode esbarrar em governança

A ideia era que a empresa passe mais tempo em reuniões com investidores, para beneficiar o entendimento do negócio.




O prospecto da companhia foi protocolado no CVM no fim de agosto. Da tranche primária, os recursos serão utilizados para os investimentos em expansão de lojas e do centro de distribuição, tecnologia e reforço no capital de giro.

A varejista nasceu em Santa Catarina e hoje são 147 lojas físicas, muitas com a “marca” de terem na fachada uma réplica da Estátua da Liberdade.

A expectativa da Havan era estrear na Bolsa com um valor de mercado próxima a R$ 70 bilhões.