Finanças

Luciano Hang desiste de IPO da Havan em 2020

Crédito: Marcos Corrêa/PR

Polêmico, Luciano Hang (de verde), que decidiu suspender o IPO da Havan, é amigo pessoal do presidente Jair Bolsonaro (Crédito: Marcos Corrêa/PR)

Apesar da grande antecipação feita com o anúncio de que as Lojas Havan entrariam na listagem de empresas da Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, a rede varejista resolveu suspender sua Oferta Pública Inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) que realizaria neste semestre. O motivo da decisão foi um interesse de mercado menor do que o necessário para o valuation (valor) da empresa bater uma faixa entre R$ 70 bilhões e R$ 100 bilhões, que o empresário Luciano Hang esperava alcançar.

Os bancos que assessoram a abertura de capital da empresa (Itaú BBA liderava o pedido, com a participação da XP Investimentos, BTG Pactual, Morgan Stanley, Bank of America, Bradesco BBI, Safra e Santander) aconselharam Hang a esperar pela estabilidade da economia brasileira e, sobretudo, o apetite dos investidores em apostarem com força em um negócio do tipo.

Havan prepara oferta de R$ 10 bi na B3, mas pode esbarrar em governança
+ Luciano Hang planeja IPO bilionário da Havan
+ Dono da Havan sonegou R$ 2,5 mi, afirma Receita Federal

A companhia também era questionada por não ter uma plataforma de vendas online forte o suficiente para valer o que Hang pedia, um claro sinal de que o mercado espera e vai apostar somente em operações que tenham olhar para o mundo tecnológico.



Segundo a revista Exame, a Havan registrou apenas R$ 77 milhões em vendas online no ano passado, ante uma receita líquida de R$ 7,9 bilhões.

No primeiro semestre deste ano, claramente afetada pela pandemia e pelo fechamento de muitas lojas pelo País, a Havan teve resultado operacional de R$ 86 milhões, queda de 75% na comparação com o mesmo período de 2019.

Outro ponto de alerta para os investidores foi a carta de apresentação da Havan ao mercado, onde a rede varejista colocava o próprio Luciano Hang como um problema a ser considerado.

O documento indicava as suas opiniões polêmicas – ele é parte de um inquérito no Supremo Tribunal Federal contra fake news – e as ações judiciais ao qual foi submetido nos últimos anos.

Apesar disso, a carta o apontava como o principal fator de sucesso da rede, conhecido por comandar seu negócio de perto.

Empresas desistindo dos IPOs

O que aconteceu com a Havan, apesar dos riscos envolvidos e já mencionados, não é exclusivo da rede varejista, já que outras empresas também estão deixando seus IPOs para o ano que vem. É o caso da BR Partners, Compass e da Cosan, que decidiram esperar o fortalecimento do mercado.

Segundo a Veja, a Sequoia Logística, empresa investida pela Warburg Pincus, estuda reduzir o pedido no processo de abertura de capital, aceitando ganhar menos para entrar na B3.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago