Locação em baixa, investimento em alta

Locação em baixa, investimento em alta

Mesmo com o índice de desocupação de imóveis residenciais e comerciais em alta no estado de São Paulo, que passou de 18% para 24% desde o início da pandemia, a empresa de locação Vila 11, principal concorrente do Quinto Andar, está otimista. Com investimento de R$ 1 bilhão, a empresa vai construir 11 prédios para locação na cidade. Os aluguéis custarão a partir de R$ 3,6 mil (não estão inclusas a taxa condominial e outras despesas), com apartamentos de 32m² e 66m². “A pandemia vai acelerar a busca por bem-estar e gastos menores em deslocamento”, afirmou à DINHEIRO o CEO Ricardo Laham. A companhia pertence ao fundo americano Evergreen, que possui projetos semelhantes nos EUA, no Reino Unido, na Holanda e na Dinamarca. O primeiro prédio será na Vila Madalena, em agosto, seguido por Pinheiros, Paraíso e Bela Vista, todos em São Paulo, até o início de 2022, e a continuação do desenvolvimento de mais sete projetos.

(Nota publicada na edição 1182 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.