Agronegócio

Live da Dinheiro: Aurélio Pavinato, CEO da SLC Agrícola e o papel do ESG e da inovação no sucesso do agro nacional

Crédito: Arte/IstoÉ Dinheiro/Divulgação


Sob o comando de Aurélio Pavinato, a SLC Agrícola aproveita o bom momento do agronegócio brasileiro aliado à gestão com base em inovação e performance para apresentar resultados surpreendentes aos acionistas. De acordo com o divulgado pela companhia, o lucro líquido do 4o trimestre do ano passado alcançou R$ 194,2 milhões, alta de 119% em relação a igual período do ano anterior. No acumulado do ano, o lucro líquido cresceu 62,2% para R$ 510,9 milhões.

Dentre as estratégias adotadas, está o aumento da produtividade nas culturas de soja, milho e algodão que possibilitou aproveitar o cenário de firme demanda externa e preços atrativos no mercado internacional. Para os próximos meses, é esperado ainda que a empresa pule de patamar ao finalizar o processo de compra da Terra Santa. A transação, avaliada em R$ 500 milhões, foi anunciada em novembro e aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) em janeiro. A assinatura final do contrato é aguardada, pelo mercado, para as próximas semanas.

Para falar sobre como o ESG, a tecnologia e a gestão de riscos estão impulsionando essa nova fase da SLC Agrícola e do agronegócio brasileiro, Lana Pinheiro, editora da Dinheiro Rural, recebe Aurélio Pavinato em Live da IstoÉ Dinheiro. A entrevista será transmitida nos canais sociais da revista, na quinta-feira, 25 de março às 17h.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel