Líderes precisam sepultar ideias mortas sobre empresas e estratégia

Líderes precisam sepultar ideias mortas sobre empresas e estratégia

Boa parte do nosso entendimento sobre o mundo corporativo e da forma como concebemos, organizamos e operamos nossas empresas é baseada em um conjunto de equívocos. Isso acontece porque consideramos ideias cujo tempo já passou, mas que continuam a nos rondar como fantasmas. A humanidade, para dar alguns passos adiante, precisou sepultar certas ideias ultrapassadas – o sol gira em torno da terra; a caixa craniana do ser humano é rígida; o mundo foi criado em seis dias; o ser humano não pode voar, dentre tantas outras “verdades”. O mesmo movimento precisa ser feito no universo dos negócios urgentemente.

Em meio a tantas perdas marcantes em todos os aspectos, esse período de pandemia representa um momento muito peculiar de reinvenção. Desta forma, vamos refletir sobre alguns pensamentos e crenças que podem ter sido úteis no passado, mas já não funcionam mais. Estão mortos. Precisamos sepultar essas ideias a fim de que parem de nos atormentar, desocupem nosso tempo e deixem de guiar decisões equivocadas na gestão dos negócios e organização das empresas.

Assim, vamos a uma análise detalhada de ideias mortas, que pode constituir um bom ponto de partida para esse processo de desapego:

A) “O maior concorrente de uma empresa é quem fabrica os mesmos produtos ou presta os mesmos serviços”

É mais fácil culpar o concorrente pelo insucesso do negócio. Na realidade, o maior adversário de uma empresa está, quase sempre, dentro da própria casa. São casos de falta de clareza no rumo; estrutura inadequada; lacunas na integração entre áreas; atitudes e práticas equivocadas com clientes, pessoas e parceiros. A desintegração entre pessoas e departamentos cria um considerável custo invisível no balanço das empresas. Talentos são perdidos e clientes vão embora devido à falta de integração. Quanto custa isso? Vamos monetizar e contabilizar esse custo?

B) “Tamanho é documento e ser grande é importante para o sucesso”

Esse pensamento é forte nos bastidores das diversas ondas de fusões e aquisições que presenciamos. Porém, mais da metade das fusões fracassam ao não cumprir os benefícios econômicos prometidos por seus arquitetos. Muitas vezes, o valor da empresa comprada é, até mesmo, destruído. Ou seja, na maioria dos casos, o valor de mercado resultante da fusão acaba sendo menor que a soma do valor individual das empresas antes desse movimento.

C) “Ser pioneiro no lançamento de um produto ou serviço garante sucesso”

Em alguns casos, essa crença até se confirma, mas não existe evidência taxativa e consistente, comprovando o pioneirismo em um produto ou serviço como garantia de sucesso. A Amazon.com, por exemplo, não foi a primeira, mas a quarta ou quinta a vender livros no mercado virtual. Exemplos semelhantes podem ser encontrados na indústria farmacêutica e em empresas emissoras de cartões de crédito, entre outros. Melhor pensar nas empresas vencedoras como pioneiras em despertar paixão nos clientes e não porque, simplesmente, foram as primeiras a lançar produtos ou serviços “matadores”.

D) “Sucesso é ampliar a base de clientes e ser líder no mercado”

Muitas empresas perdem o foco porque vivem em função do que percebem da estratégia do concorrente. Ficam extremamente obcecadas com os lançamentos de produtos do competidor, suas promoções e precificação, a ponto de virarem reféns disso. Ao tentar ultrapassar a concorrência e assumir a liderança do mercado, acabam atraindo clientes que custam caro, pois são ruins e inadimplentes, além de nem valorizarem seus produtos ou serviços. Melhor pensar que o sucesso consiste em superar-se. Ou seja, hoje ser melhor que ontem e amanhã melhor que hoje, em um processo de evolução contínua. A verdadeira olimpíada empresarial está dentro da própria empresa.

E) “Estrategistas são visionários”

Essa crença elitista criou diversas fragmentações na vida empresarial. Afastou o planejamento da ação; separou o escritório central do chão de fábrica; e isolou a operação da direção. Além disso, dividiu elevadores entre social e de serviço; o restaurante da diretoria do bandejão dos funcionários; a garagem dos gerentes do estacionamento dos demais. Gerou o planejamento top-down, departamentos verticalizados e ciclos de planejamento estratégico como ritual hierárquico. Melhor admitir que todos têm potencial para ser estrategista em, pelo menos, seu escopo de atuação. Assim, as pessoas saberiam que são pagas para fazer e também pensar.

O maior obstáculo para enveredarmos rumo ao futuro reside exatamente no que ”já sabemos”. Dessa forma, o primeiro passo para aprender o novo consiste em um grande esforço para se desapegar de alguns princípios, ideias e crenças consagrados, bem como em sepultar algumas ideias mortas, que já não fazem mais sentido.

Em sua lógica, esse movimento pede reflexão, ação que recomendo para já. Pense em quais “ideias mortas” você precisa sepultar em relação à própria empresa e sua estratégia. Lembre-se sempre de que é preciso se transformar para ser um agente da transformação que sua empresa necessita!

César Souza é o fundador e presidente do Grupo Empreenda, consultor e palestrante em Estratégia Empresarial, Desenvolvimento de Líderes e na estruturação de Innovation Hubs. Autor de “Seja o Líder que o Momento Exige”

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

O consultor César Souza, fundador e presidente do Grupo Empreenda®, palestrante e autor do recém-lançado "Seja o líder que o momento exige"


Mais posts

Sucessor e sucedido: a sequência não pode decepcionar!

“Só é ‘promovível’ quem é substituível!” Desta forma, me respondeu com firmeza e um discreto sorriso o CEO de uma grande empresa [...]

Hora de “resetar” sua estratégia para ter sucesso na nova realidade

“Olha só, considerando que o evento tem a ver com novos paradigmas e formas de pensar, entre outros pontos, sugiro o Reset”. Com essa [...]

As ideias mortas que afastam colaboradores, clientes e parceiros

Vivemos na “Era Digital”, mas as regras e o ritmo do jogo, mais do que nunca, são ditados pelas relações humanas. Nesse sentido, é [...]

Sucessão: o maior desafio das empresas familiares

Grande parte dos brasileiros tem espírito empreendedor e, em muitos casos, a convergência entre esse DNA e uma oportunidade [...]

Inovação é a melhor vacina contra a crise

“Nós já temos tradição de inovação, inclusive esse é um dos nossos valores há anos. Mas sinto que precisamos fazer algo mais profundo e [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.