Liderança no maior estilo

Liderança no maior estilo

No auge desta crise global, não se tem registro de uma mulher com um mínimo de projeção que tenha ido a público para “fazer feio”, como diria minha avó. Ao contrário de muitos homens. E há exemplos extremos disso, como o do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, obrigado a voltar atrás em suas bravatas quando foi contaminado pelo novo coronavírus. Ou os dos presidentes dos EUA, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, que insistem em trafegar no universo paralelo da pandemia usando todo um vocabulário chulo (e muito masculino) para confrontar o inimigo que mal conhecem, e do qual desdenham enquanto contam os mortos.

Cada um tem lá o seu estilo de liderança. Homens, aliás, têm licença para liderar em modelos distintos, um espectro que vai do “deixa-que-eu-chuto” desses exemplos até o simpático-jovial do presidente francês Emmanuel Macron, que enfrenta a mesma pandemia com preocupação serena. Todos eles, autênticos e pessoais.

Mulheres, diferente disso, têm de caber no modelo tamanho único da líder amigável, firme porém suave, muito (!) eficiente no que faz, e, sobretudo, feminina. Quase maternal – mas não maternal demais. E bonita – mas não bonita demais. Porque se não for assim, vai sempre “fazer feio” – mais feio até do que qualquer homem esbravejando na porta do seu palácio (um parêntese necessário: alguém imagina uma mulher falando metade do que Bolsonaro fala e sobrevivendo um dia que seja no cargo?).

É impossível que esse estilo pasteurizado possa ser genuíno em mulheres e em situações tão diversas. Mas de novo, nestes dias difíceis que estamos atravessando, foi como apareceram na mídia (e para a opinião pública) a rainha Elizabeth da Inglaterra e a chanceler alemã Angela Merkel, ou as chefes de alguns dos países que melhor estão lidando com a pandemia – Finlândia, Nova Zelândia e Taiwan entre eles. Basta olhar o noticiário para conferir – não faltam menções à sensibilidade, empatia e “humanidade” dessas mulheres, como se fossem seus maiores (ou únicos) atributos que merecem destaque no meio da crise.

Com algumas exceções históricas, as mulheres conseguiram licença para exercer (alguma) liderança só muito recentemente, e não em todos os lugares, nem usando seu estilo pessoal se ele se afastar do modelo tamanho único. Para ocupar a liderança, é fato que operam sempre nos limites do perfeccionismo, porque sabem que não podem errar nem fraquejar – isso seria confirmar que não estão preparadas para aquela posição. Ainda assim, frequentemente têm de ouvir que são mandonas, carreiristas e mal-amadas; seus pares, com as mesmas atitudes, são inspiradores, ambiciosos e bem-sucedidos.

A carga mental gerada nessas mulheres para nunca “fazer feio”, mostram as pesquisas, é cruel. Em um livro ainda sem tradução para o português (“Dear Madam President”), a chefe de comunicação da campanha de Hillary Clinton à presidência em 2016 dá um testemunho imperdível de como a coisa acontece na prática. Jennifer Palmieri já havia coordenado a comunicação da Casa Branca durante a presidência de Barack Obama, o que lhe dá uma posição privilegiada para as observações que faz.

Em algumas passagens do relato, ela conta como as expectativas distorcidas do que seja uma mulher na liderança afetam até alguém com a experiência e a fibra de uma Hillary Clinton: a mesma candidata que apanhou durante toda a campanha por manter um tom arrogante e pouco emocional foi massacrada por ser emocional demais no discurso da derrota. Vai entender…

Se estamos na batalha por mais mulheres em posições de liderança para um mundo mais justo, é preciso considerar – e depressa – como acabar com o modelo de tamanho único dessa liderança. Há vários estilos – alguns mais enérgicos e outros mais lineares, alguns mais assertivos e outros mais acolhedores. Todos, genuínos – e, por isso mesmo, com a vantagem adicional de criar referências para outras mulheres. A igualdade de gênero precisa andar de mãos dadas com a diversidade o tempo todo, não custa lembrar.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Junia Nogueira de Sá é jornalista, consultora de comunicação estratégica e conselheira de empresas e organizações sociais; é também delegada brasileira no Women20 do G20, associada à WomenCorporateDirectors e ao movimento Mulheres Investidoras Anjo. Estuda, pesquisa e escreve sobre o universo feminino há mais de 10 anos.


Mais posts

Presença de mulheres brasileiras em conselhos tem avançado pouco

Dois especialistas em governança corporativa passaram os últimos meses debruçados sobre dados de mais de 1.300 empresas listadas em [...]

Investir em mulher é investir em desenvolvimento social

Para quem nunca se deu conta, o trabalho das mulheres contribui com 37% do PIB global. É muita coisa. Se fosse possível somar o [...]

Um dia, alguém puxa a fila

O governo alemão, encabeçado por uma mulher – e das mais empáticas entre as mulheres poderosas destes nossos tempos – acaba de [...]

Lata d’água na cabeça, nunca mais

Numa casa sem água tratada e coleta de esgoto, duas coisas acontecem: os moradores, em especial as crianças, adoecem com mais [...]

Como vamos trabalhar nesse mundo novo?

Há três meses, o mundo era um. Hoje, é outro – e alguns exercícios de futurologia das últimas semanas, para imaginar como ele ainda [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.