Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Liderança na era digital

A Era Digital tem reconfigurado a vida empresarial. Muda a natureza dos negócios, com soluções disruptivas que destroem companhias tradicionais da noite para o dia

Liderança na era digital

A Liderança tal qual a conhecemos hoje está com os dias contados. A maioria das empresas continua ensinando ideias e práticas sobre Liderança para uma realidade que já não existe mais.

Apesar das declarações modernizantes de alguns executivos, o real modelo de liderança que continua na cabeça de uma amostra significativa dos líderes empresariais brasileiros evidencia uma grande discrepância entre o discurso e a prática.

Tomemos como exemplo o conceito de “supervisão”, ainda hoje muito utilizado, em vários níveis, na hierarquia das organizações. A função de “supervisor” foi criada no século passado e continua fazendo parte da estrutura de cargos e salários da maioria das empresas. A origem etimológica desta palavra já diz muito: “super + visão”, ou seja, monitorar as pessoas sob sua visão. Liderar as pessoas, olhando-as trabalhar, foi bastante eficaz no tempo em que as pessoas trabalhavam no mesmo ambiente, quer seja no escritório ou no chamado “chão de fábrica”.

Com os avanços da tecnologia, especialmente a digital, não precisamos mais compartilhar o mesmo espaço físico para trabalhar. Podemos fazê-lo de casa (home office), no carro, metrô ou, até mesmo, de outra cidade ou País, via call ou vídeo conferência, com transmissão de dados e imagens a distância em ritmo online. Já há bastante tempo podemos nos comunicar, trabalhar e produzir de forma remota.

Desta forma, a supervisão tradicional, física, perdeu o sentido. Os líderes e gestores precisam de outras formas para monitorar suas equipes. Passou a ser um desafio e tanto o controle da produtividade e a arte de cultivar os valores de uma empresa nessa nova realidade mais virtual e menos física. E esse desafio se impõe não apenas no ambiente de trabalho, mas também em casa. Como educar filhos na era da mobilidade? Como inspirar valores quando o acesso a todo tipo de informações parece ilimitado?

A Era Digital tem reconfigurado a vida empresarial. Muda a natureza dos negócios, com soluções disruptivas que destroem companhias tradicionais da noite para o dia. Muda o ritmo, que em vez de incremental passa a ser exponencial. Mudam as relações trabalhistas, por meio do acesso a meios de produção que tornam o presencial menos relevante. Muda o espaço do trabalho, de escritórios para coworking. Muda o conceito de resultados, que passam a exigir escalabilidade. Muda a forma de educar e de aprender. Muda a filosofia, da propriedade dos bens para a valorização do acesso, levando à era do compartilhamento. Muda a forma de liderar!

O sentido da hierarquia tradicional dançou. Foi-se o tempo no qual uma pessoa jovem que entrava numa empresa levava anos para conhecer ou poder falar com o presidente da corporação. Pelo menos três a quatro níveis hierárquicos os separavam e a tentativa de “bypass” era considerada falta grave. Hoje, um estagiário pode enviar e-mail ou um WhatsApp para o poderoso chefe que está cinco níveis hierárquicos acima e… receber uma resposta! Falta grave passou a ser a do gestor que cria feudos e impede seus liderados de terem acesso a quem precisam para desempenhar seu trabalho.

Em todo o mundo, as pessoas que exercem algum tipo de liderança estão muito mais vulneráveis, pois a facilidade de acesso à informação permite um nível de transparência muito maior. A coerência entre o que o líder diz e o que faz é questionada o tempo todo. Essa coerência que rima com transparência passou a ser uma pedra no sapato para a legitimidade dos líderes que se acostumaram a jogar para a plateia. Já está ocorrendo o que há algum tempo chamo de “erosão eletrônica da liderança”.

No entanto, apesar de sabermos que esse modelo ultrapassado não funciona mais, uma nova forma de pensar e exercer a liderança ainda não se faz presente com a intensidade necessária. Com a entrada dos chamados “Nativos Digitais” no mercado de trabalho, os desafios dos líderes e gestores tradicionais só tendem a aumentar de complexidade.

Para os mais precipitados, que já falaram até em “liderança por controle remoto”, finalizo com um alerta nesse processo de reinvenção da Arte de Liderar: a transformação digital não é “apenas” tecnologia. Envolve muito mais. Esse movimento exige um novo modelo mental, como um dos pilares da cultura das empresas que sobreviverão. Afinal de contas, quanto mais sofisticada a tecnologia, maior a necessidade do contato humano! O mundo não será apenas digital, será físico e digital ao mesmo tempo. Liderança na Era ‘Figital’ seria um título mais apropriado para esta coluna hoje.


Mais posts

Liderança feminina como fonte de vantagem competitiva

Aprisionadas por uma cultura empresarial a qual predominava crenças inadequadas e preconceituosas, as empresas da Era Industrial [...]

Brasil 2030: o estado de espírito dos líderes empresariais brasileiros

“Estamos cautelosamente otimistas. Mais animados do que há um ano, porém menos do que poderíamos estar," foi a frase que resumiu o III [...]

Empresas brasileiras precisam investir no Capital Liderança

Não temos líderes em quantidade e tampouco na qualidade necessária para executar a estratégia nos próximos anos. Estamos investindo, [...]

Inovação ou morte!

Inovação não deve ser visto como um projeto e nem mesmo como um dos pilares da cultura, mas como uma viga da cultura, que serve de [...]

Liderança exponencial ou incremental, eis a questão!

Os líderes bem sucedidos têm utilizado a lógica de conseguirmos visualizar bem o futuro desejado, a gente consegue planejar melhor o [...]
Ver mais