Líder no Brasil, Chile quer crescer ainda mais com orgânicos e topo de gama

Líder no Brasil, Chile quer crescer ainda mais com orgânicos e topo de gama

Rótulos da chilena Lautaro, que produz orgânicos e passou a exportar para o Brasil depois da feira Naturebas em 2019

É inquestionável o sucesso da estratégia chilena de dominar o setor de vinhos no Brasil. Nos últimos 15 anos, o Chile tem se mantido como o principal provedor da bebida para os brasileiros, com uma participação que já ultrapassa 40% do mercado de vinhos finos que o Brasil importa. Manter essa liderança é um desafio para os produtores e para a instituição governamental que há 45 anos promove o vinho e demais produtos chilenos no mundo, a ProChile. Foi graças ao esforço conjunto do governo e do setor vitivinícola que a atividade se desenvolveu, se modernizou e passou a ocupar um espaço significativo na pauta de exportações do país encravado entre o Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes. Entre os itens que o Brasil importa de lá, o salmão ocupa o primeiro lugar, contribuindo significativamente com a receita de US$ 602,74 milhões obtida em 2019. Isso porque 100% do salmão fresco vendido no Brasil vem do Chile. Como mais gente come salmão do que bebe vinho, a soma das exportações da bebida fica bem abaixo em valores: ela gerou um montante de US$ 149,70 milhões no ano passado.

 

María Julia Riquelme, diretora comercial da ProChile Brasil: mercado prioritário
María Julia Riquelme, diretora comercial da ProChile Brasil: mercado prioritário (Crédito:Divulgação)

Diante dos desafios impostos pelo coronovírus e da vertiginosa escalada do dólar (em parte motivada pela própria pandemia), o Chile sabe que poderá ter dificuldades por aqui. “O Brasil é um mercado prioritário para nós”, afirma a diretora comercial da ProChile Brasil, María Julia Riquelme. “Por muito tempo o Chile entrou no Brasil com grandes volumes de vinhos vendidos a preços acessíveis. Pouco a pouco, estimulamos o consumidor a conhecer produtos topo de gama.” María Julia se refere tanto às categorias Reserva e Gran Reserva quanto aos vinhos com denominação de origem – e, mais recentemente, aos orgânicos.

Nesse aspecto, um acordo firmado no ano passado entre os dois países estabelece a equivalência de homologação para produtos orgânicos. “O processo de certificação de orgânicos no Brasil era muito complexo e burocrático, o que restringia a oferta às grandes empresas”, diz a diretora da ProChile. Com a equivalência, passam a valer as certificações de cada país. Com isso, pequenos produtores de vinhos orgânicos do Chile já começam a colocar seus rótulos à disposição dos brasileiros. É o caso da vinícola Lautaro, que em 2019 participou da feira Naturebas, em São Paulo, e fechou um contrato de exportação para o Brasil. As garrafas da safra 2019 já chegam por aqui com certificado de orgânico do Brasil. Um passo importante não apenas para manter a posição de liderança do Chile, mas sobretudo para garantir condições a quem atua no vinho de forma sustentável.

 

Detalhe de um rótulo da Lautaro com certificação de orgânico do Brasil
Detalhe de um rótulo da Lautaro com certificação de orgânico do Brasil (Crédito:Reprodução/Lautaro Wines)

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Petit manseng, a cara do verão

Entramos em dezembro. As altas temperaturas já começam a mudar as escolhas do que vamos verter na taça. O calor, é claro, pede bebidas refrescantes. Ainda que os tintos possam ser abertos com grande entusiasmo (especialmente no jantar), rosés e brancos passam a disputar preferências. E é exatamente nesses dois estilos que a linha Marie […]

O revolucionário Novo Chile e seus vinhos em “escala humana”

Assim como tem ocorrido em outras partes do mundo, a viticultura no Chile vem evoluindo de forma rápida e com resultados [...]

A “Safra das Safras”, enfim nas taças de quem conhece

Se a pandemia transformou o mercado de vinhos no Brasil, com um aumento no consumo estimado em 32% (na comparação de janeiro a agosto [...]

Vinhos de Portugal seguem em alta no Brasil

Mal terminou o primeiro Festival Vinhos de Portugal, que entre os dias 23 de outubro e 1º de novembro envolveu 2,5 mil lojas de 18 [...]

Uma Grande Medalha de Ouro entre 77 vinhos provados em dois dias

Quando ocupei meu lugar como jurado à mesa do 10 o Brazil Wine Challenge, em Bento Gonçalves, na manhã da quarta-feira (14), um terço [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.