Giro

Líbios divididos entre a esperança e o ceticismo diante do cessar-fogo no país

Líbios divididos entre a esperança e o ceticismo diante do cessar-fogo no país

Carros em Benghazi, Líbia em 23 de outubro de 2020 - AFP

Os líbios reagiram com uma mescla de esperança e ceticismo após o fechamento de um acordo nacional de cessar-fogo, destinado a abrir um caminho para uma solução política ao conflito que sufoca o país há muitos anos.

Enquanto os observadores celebravam o acordo supervisionado pela ONU, poucos se deixam iludir pelas dificuldades de uma execução duradoura na região.

Hassan Mahmud al-Obeidi, professor de 40 anos em um instituto de Bengasi (leste), não está “muito otimista”. Teme que o acordo, igual aos anteriores, seja difícil de aplicar e duvida da saída das potências estrangeiras no país.

Envolvida em um caos desde a queda do regime de Muamar Gadafi em 2011, a Líbia está dividida entre dois poderes: o Governo do Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU e com sede em Trípoli (oeste), e as autoridade aliadas ao marechal, Jalifa Haftar, no leste.

O marechal Haftar recebe apoio militar do Egito, Rússia e Emirados Árabes Unidos, enquanto o GNA de Fayez al-Sarraj é apoiado pela Turquia.

Na sexta-feira, as delegações militares de ambas as partes firmaram um acordo em Genebra de um cessar-fogo permanente com “efeito imediato”, depois de cinco dias de negociações.

Ambas as partes acordaram que “todas as unidades militares e os grupos armados na linha de frente devem retornar a seus campos”, anunciou Stephanie Williams, chefe da delegação responsável pela Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (Manul), após o acordo.

O acordo será “acompanhado da saída de todos os mercenários e combatentes estrangeiros” na Líbia, afirmou.

– “Preparados para responder” –

As duas partes rivais haviam anunciado em agosto um cessar-fogo em suas hostilidades. Nas últimas semanas, as negociações se aceleraram para definir as condições de uma trégua duradoura.

O marechal Haftar tentou, sem sucesso, conquistar militarmente Trípoli entre abril de 2019 e junho de 2020. Os combates causaram centenas de mortes e obrigaram a fuga de dezenas de milhares de pessoas.

“Espero que [Haftar] não nos force a voltar a guerra […] mas estamos preparados para responder em caso de violação” do cessar-fogo, alertou Salim Gatouch, membro da Brigada Móvel das Forças Armadas da GNA.

Entretanto, os sinais de apaziguamento são tangíveis. As duas partes no conflito acordaram nesta semana em reabrir suas principais rotas terrestres e as conexões aéreas internas.

“A guerra provocou uma grave recessão econômica. Temos sofrido importantes perdas com a suspensão de intercâmbios comerciais entre o leste e o oeste”, lamentou Massud al-Fotmani, comerciante em Bengasi.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?