Agronegócio

Leite, vinho, batatas… o que fazer com o excesso de alimentos do confinamento?

Leite, vinho, batatas… o que fazer com o excesso de alimentos do confinamento?

(Arquivo) Trabalhadores recolhem batatas em um campo em Noirmoutier en l'île, oeste da França - AFP/Arquivos

O que fazer com as milhares de toneladas de batatas ou leite que não forem vendidas na Europa durante os dois meses de confinamento, em um contexto de comoção social e de ameaça de crise alimentar em alguns países do sul?

Com todos os restaurantes e cantinas fechados, parte da matéria-prima destinada a esses setores foi enviada aos supermercados, mas uma grande quantidade ainda não foi consumida, apesar do aumento nas compras de alimentos pelos confinados em casa.

+ Europa se aproxima do desconfinamento; coronavírus reaparece em Seul e Wuhan
+ O impacto do coronavírus no turismo na Europa 

Um dos casos mais emblemáticos é o das batatas: 450.000 toneladas de excedente na França, o maior exportador mundial deste tubérculo e fornecedor de gigantes industriais como o grupo canadense McCain, cujas fábricas estão localizadas no norte da França, Holanda e Bélgica.

Com a crise da COVID-19, existem “entre 3 e 4 milhões de toneladas de batatas sem processar na Bélgica, Holanda, Alemanha e França”, estima o Grupo Interprofissional da Batata (GIPT).

As montanhas de batatas devem desaparecer antes da próxima colheita. Caso contrário, “existe o risco de haver depósitos silvestres… na natureza, vetores de focos infecciosos de doenças fúngicas ou contaminação por fermentação”, explica à AFP Bertrand Ouillon, delegado do GIPT.

A indústria gostaria de poder redirecionar seus estoques para a fabricação de alimentos para o gado. “Se pudesse haver ajuda pública para o transporte, poderia ser de fato uma ajuda indireta aos agricultores que agora passam apuros”, sugere.

– “A crise láctea na Europeia ameaça a África Ocidental” –

Na semana passada, Oxfam e uma dezena de associações de agricultores ou de solidariedade alertaram sobre os riscos de uma “grave crise” para o mercado lácteo na África Ocidental.

Isso se deve ao armazenamento de leite em pó decidido pela Comissão Europeia para aliviar os produtores de leite europeus que não sabem o que fazer com seu leite, manteiga ou queijo.

Entre 2018 e 2019, as exportações de leite em pó da UE para a África Ocidental aumentaram 19%, e agora representam 20% das exportações mundiais da UE, segundo as associações.

Os produtores de leite da África Ocidental tentam desesperadamente ampliar sua produção local para apoiar a agricultura, reduzir a emigração e combater a violência.

No entanto, surge uma solução para os milhares de hectolitros de vinho excedentes nos três principais países produtores do mundo, Itália, França e Espanha: os produtores de vinho pediram e obtiveram permissão de Bruxelas para destilar uma parte… para fabricar álcool em gel.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?