Economia

Leilões realizados até 2022 devem alavancar investimentos de R$ 88 bi, diz Aneel

O presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, afirmou que os leilões que a agência pretende realizar até 2022 devem gerar investimentos de aproximadamente R$ 88 bilhões no País. Segundo ele, que participou de evento online promovido pela Enel Green Power, os investimentos de R$ 5,6 bilhões anunciados pela empresa na manhã de hoje comprovam o sucesso das políticas adotadas pelo governo para o setor elétrico.

Pepitone disse ainda que está confiante no sucesso do leilão de transmissão que será promovido pela Aneel nesta semana, e destacou que as 11 linhas de transmissão colocadas em licitação devem movimentar R$ 7 bilhões em aportes no País. “O futuro é de recuperação, de investimentos e criação de empregos.”

No mesmo evento, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, destacou que os investimentos em energias renováveis no Brasil são frutos tanto do potencial que o País tem para as gerações hídrica, solar e eólica.

Albuquerque também comentou que as ações do governo como a benefícios fiscais para a aquisição de equipamentos de geração fotovoltaica são fundamentais para a o crescimento do setor. “O crescimento é fruto do enorme potencial no território, e das políticas do governo para incentivar as energias renováveis e para atrair investimentos do setor privado”, disse.



Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel