Lei anti-fake news é usada em Cingapura

Lei anti-fake news é usada em Cingapura

Cingapura usou pela primeira vez sua lei anti-fake news, a Lei de Proteção contra Falsidades e Manipulação On-line, POFMA, ao ordenar que um político da oposição corrigisse seu post no Facebook. Brad Bowyer, do Partido Progress Singapore, foi acusado de divulgar declarações enganosas e falsas sobre a estatal de investimentos Temasek Holdings e o fundo soberano GIC. Bowyer afirmou que o governo controlava as decisões comerciais da Temasek e do GIC e que isso levou a prejuízos. O ministro das Finanças, Heng Swee Keat, disse que o governo não influencia, muito menos direciona, as decisões de investimentos tomadas pelas duas organizações. O Brasil caiu de paraquedas no post de Bowyer: ele disse que a Keppel Corporation, empresa de Cingapura que produz plataformas de petróleo e navios, havia sofrido prejuízos devido a “meio bilhão de multas” (dólares de Cingapura) que teve de desembolsar em 2017 por causa de subornos pagos nos esquema de corrupção brasileiro. O governo negou – o prejuízo.

(Nota publicada na Edição 1149 da revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago




Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.