Giro

Morre o presidente da Samsung, Lee Kun-hee, aos 78 anos

Crédito: AFP/Arquivos

Lee Kun-hee, o presidente da Samsung, viveu uma vida solitária apesar de sua riqueza e poder (Crédito: AFP/Arquivos)

O presidente da Samsung morreu neste domingo (25) aos 78 anos. O executivo já estava hospitalizado em Seul. A causa da morte não foi divulgada.

Lee Kun-hee, um dos magnatas mais ricos e poderosos da Coreia do Sul, transformou a Samsung Electronics em uma das maiores multinacionais do planeta, mas viveu uma vida solitária fugindo da exposição pública.

+ Black Friday: Samsung abre pré-cadastro para descontos do evento
+ Depois da Xiaomi, agora é a vez da Samsung brincar com remoção do carregador do iPhone

Os escassos pronunciamentos feitos por esse multimilionário ecoavam no país e na Bolsa. Quando herdou a presidência do grupo Samsung em 1987 – que seu pai fundou concentrando na exportação de pesca e fruta – já era o maior conglomerado do país, com operações que iam da eletrônica até a construção.



Lee a transformou em uma potência global. Quando seu acidente cardiovascular o colocou na cama em 2014, já era a maior fabricante de smartphones e cartões de memória do planeta.

Samsung é a maior dos ‘chaebols’, os conglomerados familiares que controlam a economia sul-coreana, motor da transformação que sofreu o país arrasado pela guerra até se transformar na 12ª economia.

Mas na atualidade sua imagem tem sido manchada por acusações de manter turbulentos laços com o poder que custaram ao próprio Lee duas condenações em duas ocasiões por corrupção -ao subornar um presidente- e evasão fiscal.

“O presidente Lee foi um verdadeiro visionário que transformou a Samsung de uma empresa local na líder mundial de inovação e do poderio industrial”, recorda a empresa em um comunicado após o anuncio de sua morte.

“Mudaremos tudo” 

No início da presidência de Lee, a Samsung produzia produtos baratos e de péssima qualidade.

“Mudaremos tudo menos nossas esposas e nossos filhos”, disse em 1993.

A companhia queimou 150.000 telefones que tinha em estoque, pavimentando o caminho com seu sucesso.

Pouco depois, encomendou produtos chineses para serem exibidos na sede da Samsung, para mostra a rapidez da recuperação chinesa.

Lee praticamente nunca falava com a imprensa, mas ganhava toda a atenção quando resolvia romper com seu metódico silêncio, geralmente nas mensagens de Ano Novo.

Liberdade preservada

Os negócios e o poder político sempre andaram juntos na Coreia do Sul e em 1996, Lee Kun-hee foi condenado por subornar o presidente Roh Tae-woo.

Lee também foi condenado por corrupção e evasão fiscal em 2008, chegando a abandonar momentaneamente a presidência da companhia.

Mas suas condenações tiveram uma suspensão de pena, com isso teve sua liberdade preservada e recebeu posteriormente dois perdões presidenciais, chegando a liderar os esforços do país para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km