Giro

Laboratório de Wuhan volta a negar que deixou escapar coronavírus

Laboratório de Wuhan volta a negar que deixou escapar coronavírus

(Arquivo) Funcionários do laboratório P4 de Wuhan, em 23 de fevereiro de 2017 - AFP/Arquivos

O laboratório de virologia de Wuhan, acusado de ter liberado o vírus que causou a pandemia de COVID-19, defendeu suas medidas de segurança em reportagem exibida pela televisão chinesa.

Localizado na cidade onde o vírus apareceu no final do ano passado, o laboratório P4 trabalha com cepas de vírus particularmente perigosas, e há hipóteses que sugerem que esteve na origem da pandemia.

O diretor do Laboratório Nacional de Biossegurança, Yuan Zhiming, rebateu essa ideia em uma reportagem produzida pela televisão estatal CCTV.

“Sem autorização, nenhum mosquito pode entrar no laboratório”, disse Yuan na matéria que parece ter sido realizada dentro das instalações, inauguradas em 2017.

“Nenhum dos nossos técnicos de laboratório pode tirar nem uma gota de água, ou um pedaço de papel”, assegurou.

Segundo o diretor, “as pessoas que imaginam que poderíamos tirar animais do laboratório para vendê-los, ou que poderiam ter escapado, não têm ideia do nosso funcionamento”.

A teoria de maior consenso é que o vírus teria sua origem em um morcego, ou um pangolim, e que depois passou para o Homem.

O provável local de contaminação seria um mercado de Wuhan, onde animais selvagens eram vendidos vivos.

A epidemia já contaminou 12 milhões de pessoas no mundo, com mais de meio milhão de mortes.

Yuan Zhiming considerou “natural” seu laboratório despertar suspeita, porque é o mais próximo do epicentro da epidemia. Ele disse, porém, estar confiante de que “os rumores se dissiparão progressivamente”.

“Não houve fuga de patógenos, ou contaminação humana”, no laboratório, construído em colaboração com a França, frisou o diretor.

Segundo Yuan, embora pareça que o laboratório seja “uma caixa-preta secreta”, na verdade, é “muito aberto e transparente” e espera receber pesquisadores estrangeiros no futuro.

Apesar dos vários pedidos, a AFP não obteve autorização para visitar o laboratório, desde o início da pandemia.

Estados Unidos e Austrália, entre outros países, acusam a China de falta de transparência e pediram uma investigação internacional sobre a origem do vírus.

Veja também

+ Bolsonaro posta foto com filha e rebate crítica: “Já tomou Caracu hoje?”

+ Faça em casa receita de pudim com milho e leite condensado

+ Ex-capa da Playboy é presa acusada de tráfico de drogas em rede de prostituição

+ Com bumbum à mostra, Ivy Moraes filosofa no Instagram

+ Saiba por que as farmacêuticas vêm testar vacinas no Brasil

+ Namorada de Marco Verratti exibe fotos sensuais

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Auxílio emergencial: Caixa credita hoje parcela para nascidos em janeiro

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?