Kim Dotcom corre risco de ser extraditado para os EUA

Kim Dotcom corre risco de ser extraditado para os EUA

Acusado de violar direitos autorais na internet, o criador do site Megaupload pode ser extraditado para os Estados Unidos. Preso na Nova Zelândia, Kim Schmitz, mais conhecido como Kim Dotcom, perdeu na Justiça, na segunda-feira 20, um recurso contra uma decisão de dezembro de 2016, que autorizava a sua extradição para o país de Donald Trump.

As autoridades americanas acusam o executivo, com estilo de vida extravagante, de ter dado prejuízo de US$ 500 milhões aos estúdios de Hollywood, ao criar uma rede ilegal de download de música e vídeos. Nascido na Alemanha, o empresário vive na Nova Zelândia e foi preso em 2012. Ron Mansfield, advogado de Dotcom, deve recorrer à Suprema corte do país.

(Nota publicada na Edição 1007 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km




Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.