Ciência

Kamala Harris se vacina contra a covid-19 e pede confiança no processo

Crédito: AFP

Enfermeira Patricia Cummings administra vacina contra a covid-19 na vice-presidente eleita dos EUA Kamala Harris no United Medical Center em Washington, DC (Crédito: AFP)

A vice-presidente eleita dos Estados Unidos Kamala Harris recebeu a vacina contra a covid-19 ao vivo pela televisão nesta terça-feira (29) e pediu a confiança do público no processo, enquanto a escolha do hospital para receber a imunização chamou atenção para a difícil situação da comunidade afro-americana, muito afetada pela pandemia.

Usando máscara, Harris recebeu a primeira de duas injeções no United Medical Center, localizado em uma área de Washington com população majoritariamente negra.

+ Covid-19: isenção de impostos para remédios é prorrogada até junho
+ Chile detecta primeiro caso da cepa britânica de covid-19

Comunidades afro-americanas em todo o país vivenciam níveis desproporcionalmente altos de mortes e doenças relacionadas à pandemia de covid-19, enquanto as pesquisas também indicam que elas estão entre as mais relutantes em se vacinar.



“Por isso eu quis lembrar às pessoas que é na sua comunidade onde se toma a vacina, onde você vai receber a vacina de pessoas que você talvez conheça”, disse ela após receber a vacina fabricada pela empresa americana Moderna.

“Quis lembrar às pessoas que elas têm fontes confiáveis de ajuda e são nelas onde poderão obter a vacina”.

Harris se tornará a primeira vice-presidente negra e indiana-americana ao tomar posse em 20 de janeiro, assim como a primeira mulher no cargo.

Seu marido, Doug Emhoff, também devia ser vacinado.

Uma série de funcionários públicos foram vacinados diante das câmeras como parte de um esforço para superar o ceticismo público e convencer os que ainda estão em dúvida de que as imunizações são vitais para retornar a uma aparente normalidade nos próximos meses.

O presidente eleito, Joe Biden, recebeu a vacina ao vivo na televisão em 21 de dezembro.

O atual presidente, Donald Trump, que foi hospitalizado com o vírus em outubro, não se comprometeu a ser vacinado.

Trump minimizou várias vezes o perigo da doença e pediu a reabertura de empresas e escolas, apesar do aumento do coronavírus em todo o país.

Os Estados Unidos registraram cerca de 19,3 milhões de casos e mais de 335.00 mortes relacionadas ao coronavírus, ambos os maiores índices do planeta, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km