Economia

Justiça suspende venda do gasoduto NTS pela Petrobrás

Justiça suspende venda do gasoduto NTS pela Petrobrás

A Justiça Federal de Sergipe concedeu liminar ao Sindicato dos Petroleiros de Sergipe e Alagoas (Sindipetro – SE/AL) suspendendo a venda da rede de gasodutos Nova Transportadora do Sudeste (NTS) pela Petrobrás ao grupo canadense Brookfield. Se descumprirem a decisão, cada uma das empresas deve pagar multa equivalente ao valor da negociação, de US$ 5,19 bilhões.

O acordo para a venda da NTS, que tem cerca de 2,5 mil quilômetros de gasodutos no Sudeste do Brasil, foi fechado no ano passado e faz parte do plano de desinvestimento da estatal. Com a venda de ativos, a Petrobrás procura reduzir o seu endividamento.

À Justiça, o sindicato argumentou que a Petrobras não observou as normas de licitação no processo de desinvestimento, o que teria gerado prejuízo à estatal. Alegou ainda que o negócio gera risco de dano irreparável, “pois se a alienação se consumar, talvez não possa vir a ser desfeita, em razão da indenização que a empresa poderia se ver obrigada a pagar ao terceiro de boa-fé que comprasse aquele bem”.

O juiz, ao fundamentar sua decisão, concorda com os argumentos do sindicato e afirma que “a empresa não comprovou ter havido ampla publicidade da oferta daquele ativo para venda, o que certamente atrairia mais interessados e poderia determinar a elevação do preço”.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel