Finanças

Juros zeram queda e fecham estáveis, com mercado ensaiando realização de lucros

Os juros futuros não sustentaram o ritmo de queda e na reta final da sessão regular passaram a oscilar perto dos ajustes anteriores, num movimento classificado pelos agentes como realização parcial de lucros. Ao longo do dia, a curva deu sequência à trajetória de ontem, com recuo nas taxas, ainda amparado na leitura positiva da avaliação do Banco Central sobre a inflação, atividade e riscos fiscais, e na postura do Tesouro de reduzir a oferta de papéis prefixados de longo prazo no leilão desta quinta. No entanto, a curva fecha a semana com algum ganho de inclinação.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou em 4,23%, de 4,254% ontem, e a do DI para janeiro de 2022, passou de 2,833% para 2,85%. A taxa do DI para janeiro de 2027 subiu de 7,193% para 7,21% e a do DI para janeiro de 2025 terminou em 6,22%, de 6,214% ontem.

Durante toda a sexta-feira, o mercado de juros andou na contramão dos demais ativos domésticos, com as taxas em baixa enquanto o dólar subia e a Bolsa recuava, numa dinâmica própria baseada na leitura de fatores internos. “O mercado vai assimilando aos poucos, principalmente no trecho intermediário da curva, a mensagem do Banco Central e, com isso, reduzindo um pouco a preocupação com a inflação. E tivemos também algum alívio com a questão do Tesouro”, afirmou o estrategista-chefe da CA Indosuez Brasil, Vladimir Caramaschi.

Ontem, tanto o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) quanto as entrevistas do presidente do BC, Roberto Campos Neto, e do diretor de Política Econômica, Fabio Kanczuk, deixaram claro para os agentes que o BC considera as recentes pressões de preços de alimentos como algo temporário, sem potencial de desancoragem das expectativas.

Na avaliação de Caramaschi, parte do nervosismo visto nas últimas semanas era exagerado e a curva tende a se estabilizar na medida em que o mercado for percebendo que a rolagem da dívida de curto prazo não é um problema, ainda que o Tesouro tenha de encurtar a duration dos papéis para evitar custos mais elevados.

Nesse sentido, é grande a expectativa para saber qual será a estratégia da instituição na próxima semana, que terá, além de leilões de prefixados e de LFT, oferta também de NTN-B.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

taxas de juros