Finanças

Juros fecham em queda, alinhados ao câmbio, e feriado nos EUA compromete liquidez

A ausência dos mercados referenciais em Wall Street nesta sexta-feira, 3, sugeria juros futuros de lado na sessão, mas o que se viu foi a retomada da queda dos vencimentos de médio e longo prazos, tendo praticamente o alívio no câmbio como único referencial. Após encerrarem ontem perto dos ajustes, as taxas hoje voltaram a cair mesmo em meio a revisões pessimistas para a área fiscal e com noticiário e agenda, em geral, fracos. Os juros curtos continuaram ao redor da estabilidade, sem alterações na divisão do quadro de apostas para a Selic. Desse modo, a curva fecha a semana com importante redução de inclinação, tendo as taxas longas recuado bem mais do que as curtas.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 fechou na máxima de 2,88%, de 2,912% ontem no ajuste. A do DI para janeiro de 2025 caiu de 5,633% para 5,55% (mínima) e a do DI para janeiro de 2027, de 6,543% para 6,44%.

“O mercado está hoje sem liquidez e sem novidades”, resumiu o gerente da Mesa de Reais da CM Capital Markets, Jefferson Lima. Os volumes negociados foram menos da metade da média diária dos últimos 30 dias.

Enquanto a ponta curta teve queda de cerca de 10 pontos-base na semana, a longa perdeu quase 40 pontos de prêmio desde o fechamento da sexta-feira passada, tendo recuado todos os dias esta semana com exceção de ontem, quando o mercado ensaiou uma realização e este trecho encerrou estável. Segundo profissionais nas mesas de renda fixa, o quadro político se acalmou e isso tem dado grande contribuição para o fechamento da curva, além, claro da melhora de apetite pelo risco no exterior que marcou a semana. No entanto, nos últimos dias tem chamado a atenção a escalada de casos de Covid nos EUA e seu potencial comprometimento da retomada da economia. Hoje o país voltou a registrar mais de 50 mil casos nas últimas 24 horas.

A desinclinação da curva também tem desafiado o crescente risco fiscal doméstico, com deterioração rápida das expectativas para as contas públicas. O Itaú Unibanco anunciou hoje revisão de sua projeção para o déficit fiscal este ano de 10,2% para 11% do PIB (R$ 800 bilhões) e o JPMogran foi além, esperando que o saldo negativo atinja 16,5%.

Operadores afirmam que tudo estaria já nos preços e destacam a defesa da equipe econômica de que as medidas emergenciais tenham caráter temporário e da necessidade de retomada das reformas após a pandemia. “Temos que voltar aos trilhos e continuar com as reformas e a consolidação fiscal do País. É muito importante nos comprometermos com o teto de gastos para além de 2022”, disse nesta tarde o futuro secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, em videoconferência organizada pelo Itaú BBA. Funchal deve assumir o comando do Tesouro daqui a uma semana e meia.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

taxas de juros