Mundo

Juiz progressista da Suprema Corte dos EUA vai se aposentar, dizem reportagens

Juiz progressista da Suprema Corte dos EUA vai se aposentar, dizem reportagens

Juiz Stephen Breyer

Por Lawrence Hurley e Andrew Chung

(Reuters) – O juiz progressista Stephen Breyer, que aos 83 anos é o membro mais velho da Suprema Corte dos Estados Unidos, irá se aposentar ao final do atual período judiciário, que vai até o final de junho, reportaram os canais NBC News e CNN na quarta-feira, oferecendo ao presidente norte-americano, Joe Biden, a oportunidade de indicar um sucessor que poderá servir por décadas no tribunal. 



Breyer é o autor de importantes decisões, mantendo direitos como acesso ao aborto e aos serviços de saúde, ajudou a avançar nos direitos da comunidade LGBTQIA+ e questionou a constitucionalidade da pena de morte, mas se encontrou frequentemente em discordância com um tribunal que se moveu para a direita e atualmente tem uma maioria conservadora de 6 a 3. 

Breyer foi indicado à Suprema Corte pelo democrata Bill Clinton em 1994. Apenas o juiz conservador Clarence Thomas, um dos dois homens negros a chegar à mais alta corte do país, tem servido por mais tempo que os atuais juízes, tendo chegado ao tribunal em 1991. 

Biden prometeu durante as eleições presidenciais de 2020 indicar a primeira mulher negra para uma vaga à Suprema Corte, o que seria um feito histórico e inédito. Os colegas democratas de Biden detém uma maioria estreita no Senado, que, de acordo com a Constituição norte-americana, precisa confirmar os indicados à Suprema Corte. 

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!


Entre as potenciais indicadas de Biden estão Ketanji Brown Jackson, uma ex-assistente legal de Breyer e que foi confirmada pelo Senado em junho do ano passado para um cargo no tribunal de recursos dos EUA, e Leondra Kruger, da Suprema Corte da Califórnia. 

Thurgood Marshall é o único outro juiz negro da Suprema Corte na história dos Estados Unidos, servindo entre 1967 e 1991.


Um indicado por Biden não mudaria o equilíbrio ideológico da corte, mas permitiria que ele renovasse a ala liberal do órgão com uma jurista muito mais jovem para ocupar o cargo vitalício. 

(Reportagem de Lawrence Hurley em Washington, Andrew Chung em New York, e Kanishka Singh em Bengaluru)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0P0XL-BASEIMAGE