Edição nº 1129 12.07 Ver ediçõs anteriores

Joias mineiras no Fasano

A joalheira mineira Savine está abrindo uma loja temporária no Hotel Fasano, em Angra dos Reis. O local vai funcionar como uma vitrine para as joias da grife, que são assinadas por Claudia Sabino. As peças são confeccionadas com pedras como turquesa, tanzanita, turmalina Paraíba e brilhantes. A coleção Capri, inspirada na deslumbrante ilha italiana, prioriza pedras nos tons azuis, em referência ao mar do local. As joias custam entre R$ 5 mil e R$ 60 mil e poderão ser encomendadas na loja, que ficará no Fasano até o Carnaval de 2019. Além das próprias criações, a Savine vai vender a linha completa de canetas, relógios e acessórios da Montblanc.

(Nota publicada na Edição 1086 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Four Seasons adere às experiências de luxo

A oferta de experiências exclusivas se tornou o maior apelo de vendas dos tempos atuais. E a rede de hotéis Four Seasons já percebeu [...]

O drinque de US$ 5 mil

Criado na década de 1920, em Detroit (EUA), o coquetel que recebeu o nome “Last Word” era servido em uma taça de cristal Baccarat [...]

Conversíveis da McLaren chegam ao Brasil por mais de R$ 3 milhões

A fabricante de carros supeesportivos McLaren anunciou a chegada de dois modelos conversíveis ao País: o 720S Spider e o 600LT Spider. [...]

Messi e o seu relógio do bem

A relojoaria de luxo Jacob & Co. firmou uma parceria com o jogador argentino Lionel Messi para criar um relógio de edição limitada [...]

Nas montanhas do Colorado por US$ 78 milhões

Uma casa de 9,7 mil m² em Edwards, no Colorado, próximo à estação de esqui de Beaver Creek e ao prestigioso Vail Mountain Club, está à [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.