Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

Jessica Alba perde o unicórnio

Jessica Alba perde o unicórnio

A Honest Company, fabricante de bens de consumo criada pela atriz Jessica Alba,
perdeu o status de unicórnio, concedido a startups que atingem um valor de mercado superior a US$ 1 bilhão. Segundo informações do jornal americano The Wall Street Journal, em setembro do ano passado, a empresa fez uma nova captação e foi avaliada um pouco abaixo da casa do bilhão – em 2015, numa outra rodada de investimentos, ela chegou a valer US$ 1,7 bilhão. A Honest atua no segmento de cosméticos, limpeza doméstica e produtos para crianças com uma proposta de oferecer mercadorias ecologicamente corretas e mais seguras. No ano passado, a companhia faturou US$ 300 milhões, o mesmo do que no ano anterior. Foi uma decepção, já que a Honest vinha multiplicando sua receita desde 2013, quando faturou cerca de US$ 60 milhões.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Calor escaldante

O calor causado pelo aumento da temperatura global pode afetar a vida de 1,1 bilhão de pessoas no Planeta, informou, na segunda-feira [...]

Chocolate frio

A Mondelēz Brasil está oferecendo, por meio do projeto Adegas, geladeiras para garantir a conservação de chocolates, dentro das [...]

Geração renovável

A Petrobras firmou um acordo com as francesas Total e Total Eren. Segundo comunicado da estatal, o trato faz parte da estratégia para [...]

Ações de impacto

Segunda maior cimenteira do Brasil, a Intercement está priorizando investimentos de impacto em suas iniciativas de sustentabilidade. O [...]

Um retrocesso de US$ 5 trilhões

As escolhas políticas do governo brasileiro na causa ambiental podem gerar, num pior cenário, US$ 5 trilhões de prejuízos até 2050, [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.