Jato militar de Paul Allen procura um novo dono

Jato militar de Paul Allen procura um novo dono

O jato militar MiG-29 Fulcrum que pertenceu a Paul Allen, co-fundador da Microsoft, está à venda. A aeronave, de valor não revelado, está sendo comercializada pelo Grupo MENTE, consultoria de aviação de Dallas, no Texas. O jato de dois assentos foi construído no final da Guerra Fria, em 1989, e ficou a serviço da Força Aérea Ucraniana até 2005, quando foi desmilitarizado e vendido para o ator e comediante John Sessions, que fez uma restauração de US$ 6 milhões. Em 2011, o MiG foi para as mãos de Allen, que o exibia no Museu Flying Heritage & Combat Armor, em Paine Field, no estado de Washington, mantido pelo empresário para abrigar sua enorme coleção de aeronaves militares. Os demais aviões e a empresa espacial Stratolaunch Systems Corporation, fundada por ele em 2011, também estão à venda. Paul Allen morreu de câncer no ano passado.

(Nota publicada na Edição 1134 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Viagem (milionária) ao fundo do mar

O mundo submarino é lindo e fascinante. O genial escritor francês Julio Verne sabia bem disso, quando criou o clássico 20 mil Léguas [...]

Eternamente clássico

A Cutler and Gross não precisou de muito tempo para se firmar como uma das grifes de óculos de luxo mais reconhecidas do mercado [...]

Elegância aos seus pés

No mundo dos sapatos masculinos, poucas marcas têm tanto prestígio e respeito quanto a Berluti. Afinal, são exatos 125 anos de [...]

Chanel em dose tripla

Que mulher não ganha um brilho nos olhos diante de qualquer peça Coco Chanel? E se, em vez de uma, forem três peças? É o que propõe a [...]

Mixologia por delivery

A quarentena que mantém bares fechados em todo o mundo está levando muita gente a se arriscar na coquetelaria para preparar, em casa, [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.