Giro

Japonês que se casou com um holograma não pode mais se comunicar com sua esposa virtual

Crédito: Reprodução/Redes Sociais

A cerimônia aconteceu em 2019, depois que o homem conseguiu se comunicar com o holograma via Gatebox , dispositivo que mostra personagens holograficamente. (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)



Fictosexualidade é o termo usado para descrever aquelas pessoas que são sexualmente atraídas por personagens fictícios e no Japão aos poucos se torna uma tendência, na medida em que existem empresas que desenvolvem tecnologia para oferecer aos usuários casais holográficos.

Akihiko Kondo levou seu amor por um personagem fictício um passo adiante ao realizar uma cerimônia de “casamento” com Hatsune Miku , uma cantora virtual que estrelou vários videogames e até acompanhou Lady Gaga em suas turnês mundiais. A cerimônia aconteceu em 2019, depois que o homem conseguiu se comunicar com o holograma via Gatebox , empresa que desenvolve dispositivos para mostrar holograficamente personagens que não existem.

+ ‘Vida eterna’ será possível no metaverso, promete empresa

Na época Akihiko e Hatsune monopolizaram as manchetes dos jornais e da mídia e agora fazem isso novamente porque o suporte para o software Gatebox que permitia a interação do homem com sua esposa virtual, não está mais disponível e pelo mesmo motivo, não pode mais se comunicar com ela.




Segundo o jornal japonês The Mainichi, Kondo conta que sua relação com o holograma o ajudou a superar uma profunda depressão causada pelo trabalho e o medo da rejeição social. Diante da incapacidade de continuar se comunicando com ela, o homem disse: “Meu amor por Miku não mudou. Realizei a cerimônia de casamento porque pensei que poderia ficar com ela para sempre.” Onde quer que ele vá, ele é acompanhado por um modelo em tamanho real de Hatsune Miku, e ele espera poder se comunicar com ela de alguma forma em um futuro próximo.

Instagram will load in the frontend.

Embora a relação entre Akihiko e Hatsune Miko pareça estranha, pudemos vê-los com mais frequência graças ao desenvolvimento acelerado do metaverso e dos ambientes digitais. Em alguns países, a sexualidade ficcional se torna comum, pois toda uma indústria de geração de conteúdo gira em torno dela. Mas enquanto esses relacionamentos dependerem de hardware e software que podem se tornar obsoletos ou depender de atualizações, eles terão vida curta.