Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

Japão volta à caça de baleias

Japão volta à caça de baleias

O Japão surpreendeu o mundo quando o secretário de Estado, Yoshihide Suga, veio a público em dezembro passado anunciar a saída do país da Comissão Internacional da Baleia (IWC, na sigla em inglês), organização criada há sete décadas para garantir a preservação dos cetáceos. O país asiático retomará a caça comercial de baleias nas suas águas territoriais a partir de julho deste ano. Antes, os abates eram realizados na Antártida. O comunicado preocupou grupos ativistas e ONGs ambientalistas. Desde 1987, o Japão permitia a caça apenas para fins científicos, mas organizações de proteção aos animais afirmam que o programa já era usado para encobertar a exploração comercial.

(Nota publicada na Edição 1102 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Em 2018, 20 milhões de crianças não foram vacinadas

A cobertura de vacina no mundo estagnou de forma perigosa. Em diversos países, perdeu-se o hábito de imunizar crianças e adolescentes. [...]

Uso adequado da água

Conhecido por suas refinadas pedras de cristais, o grupo austríaco Swarovski não se limita à fabricação de joias, acessórios e [...]

Acredite: desmatamento na Amazônia diminuiu

Em junho, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), detectou 801 km² de [...]

Educação ambiental e plantio de árvores no parque Praia do Sol

A Coca-Cola FEMSA Brasil, a Coca-Cola Brasil e a Fundação SOS Mata Atlântica promoverão no dia 21 de julho uma ação de educação [...]

1,2 trilhão de árvores para conter o aquecimento global

O plantio massivo de mudas de árvores em espaços que ainda não foram urbanizados ou tomados pela agropecuária pode ajudar o mundo na [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.