Giro

Japão deve declarar estado de emergência e aumentam preocupações com os Jogos

Crédito: Reprodução/Unsplash

Por dias, especialistas e líderes locais disseram que as medidas de semi-emergência em andamento falharam e medidas mais duras são necessárias com urgência. (Crédito: Reprodução/Unsplash)

O Japão deve emitir um terceiro estado de emergência para Tóquio para conter um rápido ressurgimento do Covid-19 antes das Olimpíadas de julho.

Os ministros da saúde e da economia encarregados das medidas contra o vírus estavam se reunindo com especialistas em uma força-tarefa do governo para obter seu endosso preliminar para o plano. O primeiro-ministro Yoshihide Suga deve anunciar nesta sexta-feira (23) o estado de emergência em Tóquio, Osaka, Kyoto e Hyogo, de 25 de abril a meados de maio.

+ Rússia vai tocar canção de Tchaikovsky nas Olimpíadas após proibição do hino

O terceiro estado de emergência no Japão desde o início da pandemia ocorre apenas um mês após o fim de uma emergência anterior na área de Tóquio. Por dias, especialistas e líderes locais disseram que as medidas de semi-emergência em andamento falharam e medidas mais duras são necessárias com urgência.

As medidas anteriores do estado de emergência, emitidas há um ano e depois em janeiro, foram ineficazes e autorizaram apenas pedidos não obrigatórios. Em fevereiro, o governo endureceu uma lei sobre medidas antivírus estipulando que as autoridades pudessem emitir ordens vinculativas para empresas não essenciais reduzirem o horário de expediente ou fecharem em troca de indenização para aqueles que obedecerem e penalidades para os infratores.O uso de máscaras, ficar em casa e outras medidas para o público em geral continuam sendo solicitações não obrigatórias e os especialistas se preocupam se serão seguidas.

O Japão, que teve cerca de meio milhão de casos e 10.000 mortes, não aplicou bloqueios. Mas as pessoas estão se tornando impacientes e menos cooperativas e têm ignorado as medidas em andamento à medida que as infecções se aceleram.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Osaka, o epicentro do último ressurgimento, está desde 5 de abril em estado de semi-emergência, e o alerta foi expandido para 10 áreas, incluindo Tóquio até 11 de maio, uma medida promovida pelo governo como uma alternativa ao estado de emergência com menos danos econômicos.

O governador de Osaka, Hirofumi Yoshimura, que solicitou a emergência no início desta semana, disse que as medidas semi-emergenciais não estavam funcionando e que os hospitais estavam lotados de pacientes. Os médicos de Osaka disseram que várias pessoas foram forçadas a esperar em hotéis e ambulâncias.

O último ressurgimento do vírus no Japão, alimentado por uma nova variante mais contagiosa detectada anteriormente na Grã-Bretanha, se espalhou rapidamente por todo o país. Além disso, a vacinação tem sido lenta, deixando sua população desprotegida antes do início das Olimpíadas, em julho.

A terceira fase emergencial tem a intenção de ser uma etapa curta e intensa para impedir que as pessoas viajem e espalhem o vírus durante os feriados da “Golden Week”, do final de abril até a primeira semana de maio. O fim da emergência em 11 de maio, pouco antes da visita do presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, ao Japão, gerou especulações de que o governo está priorizando o calendário olímpico em detrimento da saúde das pessoas.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel