Artigos

Jair Bolsonaro, a diplomacia da terra arrasada

Jair Bolsonaro, a diplomacia da terra arrasada

(Arquivo) O presidente Jair Bolsonaro durante a cerimônia de lançamento do novo documento de identidade no Palácio do Planalto, em Brasília - AFP

Ele ofendeu, ou insultou, dirigentes da ONU, da França, da Alemanha e de países escandinavos. O presidente Jair Bolsonaro se lançou em uma política da terra arrasada, considerada preocupante para as relações do Brasil com o resto do mundo.

Bolsonaro foi grosseiro e rompeu com os códigos internacionais de boa conduta em dois grandes assuntos: a soberania nacional sobre a Amazônia e os direitos humanos.

O alvo mais recente foi a alta comissária de direitos humanos da ONU e ex-presidente chilena, Michelle Bachelet, que o presidente atacou ao fazer elogios à ditadura de Pinochet por assassinar “comunistas, (como) seu pai”, que morreu na prisão torturado em 1974.

Bachelet tinha condenado um “retrocesso do espaço democrático” no Brasil.

Em plena crise franco-brasileira sobre os incêndios da Amazônia, Bolsonaro caçoou da aparência da primeira-dama francesa, Brigitte Macron, em comentários considerados “extraordinariamente desrespeitosos” pelo presidente Emmanuel Macron.

A retórica incendiária e vulgar, sem filtros e limites, envergonha muitos brasileiros, apontam analistas.

Bolsonaro aconselhou a chanceler alemã, Angela Merkel, que suspendeu suas doações para um fundo de preservação da Amazônia, a “reflorestar a Alemanha”. A Oslo, que tomou a mesma medida, ele respondeu publicando vídeos sobre “o assassinato de baleias patrocinado pela Noruega” – na verdade filmados na Dinamarca.

– ‘Concursos de insultos’ –

Na América Latina, sua apologia da ditadura de Pinochet chocou o Chile.

Com a vizinha Argentina, grande parceira comercial do Brasil, as relações de Bolsonaro com o provável futuro presidente Alberto Fernández já estão abaladas, após o brasileiro afirmar que o país se aproxima do caos. O candidato à Presidência garantiu que Bolsonaro é “racista, misógino e violento”.

“Os europeus não têm conhecimento sobre o Brasil, sobre a Amazônia”, mas “do ponto de vista diplomático, o estilo (de Jair Bolsonaro), a forma como se expressa, é desastrosa”, opinou Christian Lohbauer, membro do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (USP).

“Não administramos relações internacionais organizando concursos de insultos”, disse no domingo o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian. Bolsonaro desmarcou uma reunião com o francês para cortar o cabelo no fim de julho, em Brasília.

Por que tanta indignação? “É sem precedentes, mas seria um erro dizer que esse governo é louco ou irracional, eles sabem o que estão fazendo”, disse Monica Herz, professora associada de relações internacionais da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio).

Jair Bolsonaro tem “um projeto político muito extremo, de direita”, que é “perigoso, não apenas no Brasil”, afirma. Ele “fala apenas com os 30% de brasileiros que se inclinam fortemente para a extrema-direita”.

Com as polêmicas recentes, o capitão da reserva retomou seu discurso nacionalista para tentar mobilizar sua base eleitoral, em um contexto de queda acentuada na aprovação do governo.

Bolsonaro compartilha com o presidente americano, Donald Trump, “um estilo não civilizado, mal educado”, mas “com certeza Trump tem mais poder que ele”, acredita Lohbauer.

A economia brasileira, em marcha lenta, sofre ameaças de boicotes com potencial catastrófico, às exportações de carne bovina, couro e soja. O acordo de livre-comércio UE-Mercosul está longe de ser formalizado.

– ‘Preço muito, muito alto’ –

A postura belicosa do governo “terá um impacto de longo prazo”, para além do mandato de Bolsonaro, prevê Herz. “Em termos de prestígio e legitimidade, (o Brasil) pagará um preço muito, muito alto” e terá mais dificuldade em ser ouvido nas negociações multilaterais e bilaterais.

Em 24 de setembro, os líderes mundiais vão assistir ao discurso de abertura de Jair Bolsonaro à Assembleia Geral da ONU. Ele promete falar sobre a Amazônia com “patriotismo”.

“Quando 57 milhões de brasileiros votaram nele, eles sabiam o que esperar”, diz Lohbauer, sobre o perfil provocador do do ex-deputado. “Ele não vai mudar seu comportamento, os líderes estrangeiros terão que lidar com isso durante toda a sua presidência”, prevê.