Giro

Irã supera 3.000 mortos por novo coronavírus

Irã supera 3.000 mortos por novo coronavírus

Foto distribuída pela presidência iraniana mostrando Hassan Rohani durante um conselho ministerial em 25 de março de 2020 em Teerã - Iranian Presidency/AFP/Arquivos


O Irã superou a barreira de 3.000 mortes provocadas pela pandemia do novo coronavírus, depois de registrar 138 falecimentos nas últimas 24 horas – anunciaram as autoridades de saúde locais nesta quarta-feira (1).

O país registra agora 3.036 mortos, informou o porta-voz do Ministério da Saúde, Kianouche Jahanpour, que também anunciou 2.987 novos contágios nas últimas 24 horas. Com isso, chega a 47.593 o número de enfermos da COVID-19 no país.

Ao todo, 15.473 pessoas hospitalizadas receberam alta dos hospitais, de acordo com o porta-voz.

Neste contexto de pandemia, o presidente iraniano, Hassan Rohani, estimou que os Estados Unidos perderam uma “oportunidade históricas” de retirarem as sanções econômicas aplicadas à República Islâmica.

Referindo-se à pandemia, Rohani considerou que os americanos perderam a chance “de seguir um caminho inverso do seu, ruim, e, por pelo menos uma vez, dizer para sua nação que não são contra o povo iraniano”.

Os Estados Unidos “não aprenderam a lição mesmo durante esta difícil situação mundial (…). Era uma questão humanitária. Ninguém os acusaria de voltar” à sua posição, acrescentou ele durante uma reunião do governo transmitida na televisão.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou-se unilateralmente em maio de 2018 do acordo nuclear internacional iraniano e restabeleceu duras sanções econômicas contra este país, visando principalmente aos setores bancário e petrolífero iraniano.

Bens humanitários, incluindo equipamentos médicos e medicamentos, são tecnicamente isentos.

Alemanha, França e Grã-Bretanha, ainda partes do acordo, informaram recentemente a entrega de equipamentos médicos ao Irã como parte do mecanismo Instex para contornar as sanções americanas, usado pela primeira vez.

Criado em janeiro de 2019, o Instex tem como objetivo incentivar o comércio de bens excluídos da lista de sanções. Mesmo nestes casos, as empresas hesitam em se aventurar, por medo de ficarem na mira americana.

O mecanismo deve funcionar como uma câmara de compensação que permita ao Irã continuar vendendo petróleo e importar outros produtos em troca. Até o momento, porém, não havia sido utilizado como base para nenhuma transação.

O Irã também recebeu equipamentos médicos, ou ajuda financeira, de vários países como Alemanha, Azerbaijão, China, Emirados Árabes Unidos, França, Grã-Bretanha, Japão, Catar, Rússia e Turquia.

Depois de fazer tudo para evitar impor medidas de contenção, ou quarentena, o governo iraniano decidiu em 25 de março proibir todos os deslocamentos entre cidades.

A medida, que entrou em vigor dois dias depois e se aplica até 8 de abril, pode ser prorrogada.

Mesmo sem serem oficialmente confinados, os habitantes são convocados, há várias semanas, a ficarem em casa “o máximo possível”.