Giro

Irã inicia ensaios clínicos de sua primeira vacina contra covid-19

Crédito: AFP

Mulher recebe injeção durante primeira fase dos ensaios clínicos de uma vacina desenvolvida pelo Irã (Crédito: AFP)

A República Islâmica começou, nesta terça-feira (29), “a primeira fase” dos ensaios clínicos de uma vacina contra o coronavírus desenvolvida no Irã, país duramente afetado pela pandemia no Oriente Médio – anunciou a televisão oficial.

Pfizer não vai submeter pedido para uso emergencial de sua vacina no Brasil

Vacina da AstraZeneca não está pronta para aprovação rápida na Europa

“A primeira vacina contra o coronavírus, desenvolvida por pesquisadores iranianos, foi revelada quando foi injetada em três pessoas”, disse a imprensa pública.



A covid-19 deixa cerca de 55.000 mortes sobre mais de 1,2 milhão de pessoas infectadas no Irã, segundo o Ministério da Saúde.

A televisão estatal transmitiu imagens nesta terça-feira que mostravam três pessoas, dois homens e uma mulher, recebendo injeções na presença do ministro da Saúde, Said Namaki, e do vice-presidente da Ciência e Tecnologia iraniano, Sorena Sattari.

De acordo com a mesma fonte, o desenvolvimento da vacina foi financiado pela fundação da Execução da Ordem do imã Khomeini (Eiko), um importante conglomerado econômico estatal, cujo presidente é designado pelo líder supremo iraniano.

A empresa pública de radiodifusão apresentou os três “voluntários” como a filha do presidente deste conglomerado e dois de seus altos funcionários.

A vacina será administrada em “56 voluntários” em duas doses separadas por duas semanas, afirmou o site da televisão estatal Iribnews, citando um funcionário do desenvolvimento da vacina.

O resultado será conhecido “28 dias” depois da segunda injeção, segundo a mesma fonte.

Outra vacina iraniana, “desenvolvida pelo centro médico de Razi, será aprovada” para começar os ensaios em humanos “em um futuro muito próximo”, disse Namaki.

O funcionário anunciou no início de dezembro que o Irã havia “comprado antecipadamente” cerca de 16,8 milhões de doses de vacinas através do Covax, um dispositivo de acesso a vacinas criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para os países mais pobres.

As autoridades de Teerã destacaram durante várias semanas que as sanções dos Estados Unidos os impedem de obter vacinas. Em tese, alimentos e medicamentos estão isentos dessas sanções. Na realidade, porém, os bancos internacionais tendem a rejeitar as transações que envolvem o Irã para evitar se expor a possíveis litígios.

No sábado, o presidente Hassan Rohani criticou os Estados Unidos por exigirem que as transferências de fundos iranianos destinadas a comprar vacinas contra o coronavírus passem por bancos americanos. Rohani disse que teme que os americanos tenham-se aproveitado disso para se apoderar deste dinheiro.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago