Tecnologia

iPhone 11 é o celular mais vendido do mundo

Crédito: Pixabay

Lançado em 2019, o iPhone 11 é chegou ao topo das vendas, segundo a consultoria Canalys (Crédito: Pixabay)

Duas apostas da Apple de 2019 tiveram bons resultados de venda no mundo. O iPhone 11 e iPhone SE (2020) foram os celulares mais vendidos no terceiro trimestre de 2020, com 16 milhões e 10 milhões de unidades comercializadas, respectivamente.

O ranking, composto por um levantamento da consultoria de mercado Canalys, conta ainda com cinco modelos da Samsung e três da Xiaomi. A fabricante chinesa entrou no top três pela primeira vez, com o mercado de smartphones se recuperando no período.

+ Apple começa a vender Macs com processadores próprios para imitar iPhones
+ iPhone 12 chega ao Brasil com preço a partir de R$ 6.999

No terceiro trimestre, a comercialização de smartphones atingiu no mundo 348 milhões de unidades, com uma queda de 1% na comparação ano a ano. O número, no entanto, representa um crescimento de 22% em relação ao trimestre anterior.

A Samsung recuperou a liderança, com alta de 2%, para 80,2 milhões de unidades. A Huawei caiu para o segundo lugar com uma queda de 23%, para 51,7 milhões de unidades.

Xiaomi ficou em terceiro lugar pela primeira vez, alcançando 47,1 milhões de unidades com um crescimento de 45%.

A Apple, que não teve o lançamento principal do iPhone em setembro, vendeu 43,2 milhões, queda de 1%, enquanto a fabricante Vivo completou os cinco primeiros, vendendo 31,8 milhões de unidades.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel