Economia

IPC-S de setembro acelera a 0,82%, de 0,53% em agosto, afirma FGV

Crédito: Divulgação

A maior alta do IPC-S em setembro ocorreu em Educação, Leitura e Recreação (2,21% para 3,19%) (Crédito: Divulgação)

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) de setembro subiu 0,82%, acelerando em relação à variação positiva de 0,53% registrada em agosto e também em relação à alta de 0,70% ocorrida na terceira quadrissemana de setembro, informa a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumula alta de 2,42% em 2020 e de 3,62% nos 12 meses até setembro.

Em relação à terceira quadrissemana de setembro, três dos oito grupos componentes registraram aceleração. A maior alta ocorreu em Educação, Leitura e Recreação (2,21% para 3,19%), com destaque para o item passagem aérea, que foi de 26,97% para 39,62%.

+ IPC-S acelera nas 7 capitais pesquisadas na 3ª quadrissemana de setembro, diz FGV
+ FGV: IPC-S acelera em 6 de 7 capitais pesquisadas na 2ª quadrissemana de setembro

Houve acréscimos também em Alimentação (1,39% para 1,81%), com destaque para arroz e feijão (8,01% para 10,92%), e também no grupo Vestuário (-0,34% para 0,01%), com destaque para roupas (-0,56% para -0,03%).

Os grupos cujos índices foram menores nesta divulgação do que na anterior foram Transportes (1,03% para 0,78%), Saúde e Cuidados Pessoais (-0,49% para -0,53%), Habitação (0,50% para 0,48%) e Despesas Diversas (0,25% para 0,24%). Nestes grupos, a FGV menciona, respectivamente, os itens gasolina (3,31% para 2,13%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,48% para 0,27%), tarifa de eletricidade residencial (0,45% para 0,24%) e serviços bancários (0,23% para 0,11%).

O grupo Comunicação variou positivamente em 0,03%, mesma taxa divulgada na semana passada. As maiores influências do grupo vieram de tarifa de telefone residencial (0,23% para 0,39%) e de mensalidade para TV por assinatura (0,18% para 0,10%).

Influências individuais

Entre os itens que mais influenciaram a aceleração do IPC-S de setembro estão os já mencionados passagem aérea e gasolina. Além deles, também pesaram arroz (11,90% para 15,37%), óleo de soja (24,92% para 29,08%) e leite tipo longa vida (5,82% para 4,89%).

Pelo sentido oposto, os itens que mais puxaram para baixo o indicador foram plano e seguro e de saúde (-2,40%, como na semana anterior), cebola (-22,51% para -14,95%), mamão papaya (-14,08% para -19,99%), batata-inglesa (-9,62% para -9,27%) e manga (-7,65% para -8,78%).

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

FGV IPC-S setembro