Economia

IPC-Fipe sobe 0,23% em fevereiro e acumula inflação de 1,09% no 1º bimestre

Crédito: Agência Brasil / Arquivo

Alimentação: um dos preços que mais desaceleraram na capital paulista, segundo a Fipe (Crédito: Agência Brasil / Arquivo)

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,23% em fevereiro, desacelerando significativamente frente ao acréscimo de 0,86% observado em janeiro e também em relação à alta de 0,36% registrada na terceira quadrissemana do mês passado, segundo dados publicados nesta terça-feira pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Taxa anual de inflação da zona do euro se mantém em 0,9% em fevereiro

No primeiro bimestre de 2021, o IPC-Fipe acumulou inflação de 1,09%. Nos 12 meses até fevereiro, a alta acumulada foi de 6,35%.

Cinco dos sete componentes do IPC-Fipe desaceleraram ou migraram para deflação no último mês: Habitação (de 0,80% em janeiro para estável em fevereiro), Alimentação (de 1,50% para -0,31%), Saúde (de 2,12% para 0,74%), Vestuário (de 0,91% para 0,10%) e Educação (de 2,38% para 0,10%).

Os demais itens ganharam força ou ficaram positivos de janeiro para fevereiro: Transportes (de 0,92% para 1,59%) e Despesas Pessoais (de -1,12% para 0,10%).

Veja abaixo como ficaram os componentes do IPC-Fipe em fevereiro:

– Habitação: 0,00%

– Alimentação: -0,31%

– Transportes: 1,59%

– Despesas Pessoais: 0,10%

– Saúde: 0,74%

– Vestuário: 0,10%

– Educação: 0,10%

– Índice Geral: 0,23%

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel