Economia

Investimentos: Conheça aplicações para ficar de olho em 2022

Crédito: Pixabay

Em paralelo, 2021 foi o ano do setor de logística, sendo positivo para ativos de risco no mundo todo (Crédito: Pixabay)

Com a perspectiva do impacto da variante Ômicron do coronavírus em 2022, os investidores não esperam um ano fácil. Mas, quais serão as apostas mais promissoras para investimentos no próximo ano? Reunimos algumas indicações de especialistas com aplicações que podem ter bom desempenho em 2022.



Em paralelo, 2021 foi o ano do setor de logística, positivo para ativos de risco no mundo todo, à exceção de Brasil, China e Turquia. Para Rodrigo Lima, analista de investimentos da Stake, plataforma que conecta pessoas de diferentes países ao mercado americano de ações, os desafios de 2022 giram em torno da transitoriedade da inflação americana e o início do processo de tapering, a redução do programa de recompra de ativos do FED, banco central dos Estados Unidos.

Segundo o especialista, em 2013, quando o banco central americano anunciou que iria iniciar o processo de tapering, os mercados sofreram por medo de que a retirada de liquidez fosse causar a estagnação das economias globais. Posteriormente, esse temor se mostrou infundado, com mercados renovando máximas históricas pelos próximos sete anos até o início da pandemia da Covid-19.

“Naturalmente, os problemas logísticos causados pela pandemia e a crise energética que se sucedeu devem ser minorados e retornar à relativa normalidade ao longo do ano, o que pressionaria a inflação para baixo”, pontua Lima, em nota.

+ Investimentos: Com Selic a 9,25%, Renda Fixa pode perder para a Poupança

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



De acordo com o especialista, destaques positivos deste ano que devem seguir com boas performances são: o setor de logística, impulsionado pelo aumento no custo dos fretes ao redor do mundo; gás natural, com a alta na demanda de combustíveis; e criptomoedas.

“Há milhares de ativos, alguns que se multiplicaram centenas de vezes e outros que perderam quase todo seu valor, no entanto, o Bitcoin, principal ativo do setor, sobe mais de 82% no ano. Inquestionavelmente esse mercado não pode mais ser ignorado e vem se tornando cada vez mais institucionalizado”, complementa Lima.

Um exemplo é a criptomoeda Ethereum, ativo que teve a melhor performance em 2021, segundo com levantamento realizado pelo Yubb, site buscador de investimentos. Enquanto os criptoativos dominam a liderança, com o bitcoin na 2ª posição, a poupança nova encerra o ano com rendimento abaixo dos 3% e o Ibovespa fecha em queda.

“A análise da performance dos investimentos no ano mostra que o investidor que possui uma carteira diversificada consegue performar bem mesmo em cenários adversos, já que equilibra sua renda em ativos diferentes, e não fica refém de volatilidades ou dos impactos diretos da inflação”, afirma Bernardo Pascowitch, fundador do Yubb, em nota.

Para Pascowitch, o desafio do investidor é entender o panorama brasileiro e o cenário internacional. “Se a pessoa possui investimentos em renda fixa, ativos brasileiros, ativos estrangeiros e criptomoedas, é muito provável que a sua rentabilidade total esteja superando a inflação. E caso não seja este o seu portfólio, vale repensar a sua estratégia de aplicações para o próximo ano”, acrescenta.

E como investir em criptomoedas?

Ainda causando estranhamento nas pessoas, as criptomoedas têm se tornado cada vez mais confiáveis. Um estudo revelou que 2020 teve grande redução em atividades criminosas envolvendo o segmento. A empresa CipherTrace, responsável pela análise, apontou que apenas 0,34% das transações feitas naquele ano em sistemas blockchain eram provenientes de atividades ilícitas.

“O criptomercado tem conseguido revolucionar como as pessoas lidam com o seu dinheiro. As transações usam sequências de dados para fazer a verificação da informação. Os usuários ainda podem causar problemas, já que a movimentação dessas moedas tem as suas peculiaridades, mas o mercado é transparente”, explica Francisley Valdevino da Silva, CEO da Intergalaxy SA, empresa especializada em Blockchain, em nota.

Confira algumas dicas para investir nesse mercado:

1 – Estudar: por ser novo, o mercado exige um investidor atento e muito informado;

2 – Falsos sorteios: falsos brindes ou sorteios são formas de enganar e roubar criptoativos. Um dos golpes mais comuns é o anúncio de que o investidor ganhou um prêmio, mas precisa enviar uma fração de Bitcoin para desbloquear;

3 – E-mail phishing: são aqueles que apresentam alguns links e arquivos para baixar e, quando o usuário clica ou faz download, é infectado com algum vírus que danifica o aparelho, ou ainda é direcionado a um site fraudulento imitando o endereço original, para roubo de dados;

4 – Cautela: não coloque todo o seu capital logo na primeira vez de investir. Confira os resultados antes de tomar qualquer decisão de dar continuidade aos investimentos;

5 – Empresas certificadas: na hora de escolher uma exchange, corretora ou empresa pela qual irá comprar ou vender criptoativos, pesquise o histórico no mercado e veja as garantias dadas;

6 – Especialista: tenha um profissional do mercado que você possa consultar em qualquer momento do dia. Uma pessoa capacitada que vai ajudar nas suas dúvidas.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto