Edição nº 1100 14.12 Ver ediçõs anteriores

Investimento chinês

Investimento chinês

Principal rival da Uber no mundo, a chinesa Didi Chuxing quer impulsionar também seus serviços de aluguel e manutenção preventiva de automóveis para os motoristas parceiros do aplicativo de transporte. A companhia com sede em Pequim anunciou que fará um investimento de US$ 1 bilhão em sua área de serviços automotivos, criando uma nova empresa, a Xiaoju Automobile Solutions. “Ao oferecer nossos serviços para os 30 milhões de motoristas da Didi, nós buscamos desenvolver uma plataforma unificada para soluções automotivas capaz de ganhar a confiança dos usuários de carros”, disse Kevin Chen, responsável pela operação. Vale lembrar que a Didi já oferecia esses serviços desde 2015, mas sem relação com o principal negócio da empresa. A expectativa da companhia é de que o novo investimento a ajude a preparar o terreno para uma futura abertura de capital, o que deve acontecer somente em 2019.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O homem que entregava dados

O Parlamento Britânico acusa o Facebook de ceder dados de usuários da rede social para terceiros. As informações teriam sido repassadas [...]

Carrinho cheio

(Nota publicada na Edição 1100 da Revista Dinheiro)

A amizade que vale US$ 100 milhões por ano

Sucesso nos anos 1990, a sitcom Friends não vai deixar o catálogo Netflix. Pelo menos até o fim de 2019. Segundo o jornal The New York [...]

Internet à cubana

A partir das 8h da quinta-feira 6 já era possível conectar-se à internet usando as redes móveis em Cuba. O que parece algo corriqueiro [...]

Robô no volante

A Alphabet, holding que controla o Google, está acelerando o seu projeto de carros autônomos. Nesta semana, a Waymo, uma das companhias [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.