Intervenção na Petrobras foi a maior canelada de Bolsonaro até agora

Intervenção na Petrobras foi a maior canelada de Bolsonaro até agora

(Arquivo) As ações da Petrobras tiveram forte queda na Bovespa nesta sexta-feira, após, a pedido do governo, a petroleira decidir voltar atrás em sua decisão de aumentar os preços do diesel - AFP/Arquivos

Olá, pessoal, tudo bem? Quero deixar claro que considero a agenda econômica do governo Bolsonaro muito boa. A agenda, é claro, foi formulada pelo ministro Paulo Guedes. Esse elogio não me impede de tecer críticas quando o governo erra.

Nos primeiros 100 dias, o governo cometeu alguns equívocos que impactam a área econômica. Cito alguns: a demora na apresentação da (ótima) proposta de reforma da Previdência Social (economia de pouco mais de R$ 1 trilhão em 10 anos); a baixa contribuição dos militares para essa reforma (economia de apenas R$ 10 bilhões em 10 anos); a insistência do Banco Central em não reduzir os juros; a tentativa de mudança da Embaixada do Brasil em Israel, o que gerou problemas com a comunidade árabe (grande importadora de carnes brasileiras); e a promessa de pagar o 13º para o Bolsa Família (populismo eleitoral que antes era criticado no PT), dentre outros exemplos.

Nenhum erro, no entanto, supera a canelada dada por Bolsonaro na Petrobras no centésimo primeiro dia de governo. Em tempo: canelada é um termo futebolístico que o próprio presidente da República usa quando se refere a problemas.

A empresa, cujos papeis são negociados no Brasil e nos Estados Unidos, foi obrigada a adiar um reajuste de 5,7% no preço do diesel. Sob pressão dos caminhoneiros, o presidente Bolsonaro ligou para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, assim que soube da notícia.

A petroleira argumentou que ainda tinha fôlego financeiro, através de sua posição de hedge (proteção), para segurar um pouco mais o preço do combustível. Pode até ser verdade, mas o estrago foi feito. As ações despencaram 8% nesta sexta-feira 12 diante do fantasma da intervenção política, que assombrou o País durante o Governo Dilma.

Bolsonaro salientou, horas mais tarde, que não entende de economia. Não entende, mas sequer consultou o ministro da Economia, Paulo Guedes, que foi pego de surpresa em viagem aos Estados Unidos.

Na terça-feira 16, haverá reunião no Palácio do Planalto com todos os atores envolvidos. O resultado final pode amenizar o erro (se Bolsonaro voltar atrás) ou piorá-lo (se mantiver a proibição), mas jamais irá apagá-lo.

Na campanha, Bolsonaro foi acusado de ter sido um deputado federal estatista durante 28 anos, embora se apresentasse como um presidenciável liberal. Ao subir a rampa do Palácio do Planalto, resolveu apoiar a (excelente) ideia de tornar o Banco Central formalmente independente. Postura bem liberal. Mas, surpreendentemente, deu a sua maior canelada até agora ao interferir na Petrobras.

Afinal de contas, o governo Bolsonaro quer entrar para a história com qual bandeira? A única certeza que o mercado financeiro tem é de que o ministro Paulo Guedes só aceita empunhar a bandeira liberal. Se for para repetir a agenda do governo Dilma, é melhor o presidente Bolsonaro começar a repensar a sua equipe econômica.

Nos próximos dias, acredito, ficará claro que foi apenas uma canelada isolada. Um árbitro de futebol daria um cartão amarelo por este lance. Mas, na próxima vez, alguém importante pode sair de campo machucado ou expulso.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Mais posts

A economia também mata!

Olá, pessoal! Tudo bem? Desde o começo da pandemia, eu tenho alertado para os efeitos econômicos do combate ao novo coronavírus. Sem, [...]

Declaração de Guedes sobre domésticas na Disney foi muito infeliz

Olá, pessoal! Tudo bem? Quem acompanha o meu trabalho sabe que eu elogio constantemente a agenda econômica do ministro Paulo Guedes. [...]

O que já podemos aprender com os riscos em 2020?

Olá, pessoal! Tudo bem? O mês de janeiro passou como num estalar de dedos, mas esse início de ano nos trouxe inúmeras lições [...]

2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

Olá, pessoal! Tudo bem? No apagar das luzes de 2019, gostaria de escrever algumas linhas sobre 2020. Conforme tenho repetido em artigos [...]

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Olá, pessoal, tudo bem? Nos últimos dias, diversos indicadores econômicos vieram acima das expectativas dos analistas, sinalizando uma [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.