Edição nº 1083 17.08 Ver ediçõs anteriores

Insulina brasileira?

Insulina brasileira?

A Bahiafarma, laboratório público do Estado da Bahia, começou a entregar neste mês os primeiros lotes importados de insulina para o Ministério da Saúde, como parte de uma iniciativa na qual a empresa passará a fornecer 50% da demanda no Sistema Único de Saúde (SUS), em uma parceria com a fabricante ucraniana Indar. Em um mercado dominado por multinacionais como Sanofi, Novo Nordisk e Eli Lilly, e que movimenta cerca de R$ 1 bilhão por ano, o principal ponto do projeto é a transferência de tecnologia, com a instalação de uma fábrica em Dias D’Ávila, cidade da região metropolitana de Salvador. Orçada em R$ 250 milhões, a unidade, a primeira de insulina no País, terá capacidade anual de produção de 25 milhões de frascos, com possibilidade de exportação para o Mercosul, América Central e África.

 

Vai demorar um pouco

A expectativa é a de que a estrutura entre em operação 40 meses após o início das obras, o que está previsto para o segundo semestre. “Hoje, o fato de o Brasil não dominar essa tecnologia coloca o País em situação extremamente vulnerável em termos de garantia de abastecimento e de estabelecimento de preço”, diz Ronaldo Dias, presidente da Bahiafarma. Atualmente, a insulina é vendida a R$ 27,50 na Farmácia Popular. Cerca de 14 milhões de brasileiros dependem do medicamento. “A parceria com o Ministério prevê uma redução anual de 5% no preço das unidades”, afirma Dias. Com uma receita projetada de R$ 500 milhões para 2018, a Bahiafarma já é parceira da pasta no fornecimento de soluções de diagnósticos rápidos para doenças como zika, dengue, chikungunya, hepatite B e febre amarela, produzidas na fábrica do laboratório em Simões Filho (BA).

(Nota publicada na Edição 1069 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn e Moacir Drska)


Mais posts

O avanço do Banco Inter

Primeiro banco 100% digital a abrir capital na B3, o Banco Inter passou de uma base de pouco mais de 200 mil clientes no primeiro [...]

A vez das escolas low costs

Os bairros de São Paulo que vão receber as primeiras escolas Luminova, a rede low cost do grupo SEB, já foram definidos. “Barra Funda, [...]

Nem um, nem outro

Na semana passada, o empresário Flávio Rocha (centro), ex-pré-candidato à Presidência pelo PRB, se encontrou com o candidato Jair [...]

De carona na reforma

A Alelo, empresa de benefícios do Bradesco e do Banco do Brasil, começa a colher os frutos da nova lei trabalhista. Desde o início do [...]

Quem busca dinheiro na web?

A Nexoos, plataforma digital que oferece crédito para pequenas e médias empresas, traçou o perfil de quem busca dinheiro na web. O levantamento da fintech, que já emprestou R$ 75 milhões em dois anos, mostrou que o perfil médio dos pedidos de financiamentos é de R$ 110 mil parcelados em 24 vezes. As empresas de […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.