Artigo

Inovação é essencial para sobrevivência do varejo físico

26 bilhões de produtos inteligentes e conectados estarão em uso em 2020 em todo o mundo. E um dos setores mais beneficiados será o varejo

Crédito: Divulgação

Em um mercado tão competitivo, mutável e que age com margens apertadas como o varejo, as empresas buscam soluções que facilitem suas operações e aumentem os lucros. E nesse cenário, recorrer à tecnologia permite a elas realizarem suas atividades de forma mais eficiente. Os varejistas que utilizam a tecnologia de forma inteligente estão sempre na frente e conseguem ampliar resultados e diminuir as perdas, aproveitando da melhor forma o potencial de seu negócio.

Segundo a consultoria Gartner, serão 26 bilhões de produtos inteligentes e conectados em uso em 2020 em todo o mundo. E um dos setores mais beneficiados será o varejo. A mesma tecnologia que auxilia nas vendas também está à disposição para prevenir perdas. Nesse cenário, o varejo nacional vem tentando inserir a tecnologia em suas operações com as etiquetas e cadeados eletrônicos, contadores de fluxo, cofres inteligentes e sistemas de monitoramento nos pontos de venda.

O controle de fluxo em estabelecimento é uma importante tecnologia que contempla melhorias na gestão e constrói uma boa experiência de compra para o cliente. Com os dados, o varejista pode tirar diversas conclusões sobre o movimento da sua loja e planejar ações imediatas.

Além disso, as imagens transformadas em dados estatísticos podem ser acessados online ou recebidos através de relatórios diários por e-mail. O sistema permite a observação das informações, além da integração com diversos outros sistemas para cruzamento de dados e análises mais avançadas, como a relação entre a taxa de entrada de pessoas e as vendas e valor médio gasto por cliente.

Outra solução tecnológica de destaque é software de monitoramento de pontos de venda, que analisa e faz uma auditoria dos processos de vendas com principal objetivo de identificar as perdas no checkout. Usando um avançado algoritmo ele analisa informações de imagem e áudio com os dados registrados, monitorando as atividades no ponto de venda para prevenir e reduzir fraudes, tornando cada vez mais fácil e acessível controlar o atendimento nos caixas.

Caso o operador de caixa passe um produto, mas não o registra, um sinal é emitido. Se o produto não for registrado, há consultas nos bancos de dados que permitem a identificação. Com o monitoramento no ponto de venda o varejista diminui as fraudes (cancelamentos de cupons indevidos, descontos irregulares e aberturas excessivas de gaveta), além de minimizar os erros operacionais e até mesmo as falhas de inventário.

O uso da tecnologia para gestão de numerário, como os cofres inteligentes, permite ao varejista, por sua vez, ampliar a produtividade da loja ao mesmo tempo que reduz os riscos de perdas por fraudes ou furtos internos. Com eles os varejistas conseguem acompanhar e controlar, em tempo real, tudo o que ocorre com o dinheiro da loja.

No aspecto segurança, os cofres inteligentes oferecem a proteção física do dinheiro, reduzindo riscos de assaltos, e a segurança digital, que impede qualquer acesso não autorizado, sem contar na facilidade para impedir golpes, através da detecção de notas falsas.

Como se vê, o mercado brasileiro tem à disposição uma série de tecnologias que auxilia o varejista a buscar os melhores resultados para o seu negócio.

Luiz Fernando Sambugaro é diretor da Gunnebo,
empresa sueca de proteção eletrônica para o varejo