Giro

Medicamento cardíaco pode reduzir o colesterol em apenas duas semanas, diz estudo

Crédito: Reprodução/Divulgação

Comercialmente chamada de Leqvio, a nova droga foi aprovada para uso pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados do Reino Unido. (Crédito: Reprodução/Divulgação)



Segundo a pesquisa Vigitel 2018, do Ministério da Saúde, 55,7% da população brasileira está acima do peso, especialmente os homens (57,8%). Uma das consequências é o colesterol alto, principal causa da aterosclerose (entupimento das artérias).

A boa notícia é que o remédio inclisiran, um medicamento para o tratamento de pessoas com doença cardiovascular aterosclerótica, produzido pela farmacêutica suíça Novartis, administrado em injeções semestrais, pode substituir os medicamentos diários à base de estatina.

+ Dosagem de colesterol previne doenças cardiovasculares

Comercialmente chamada de Leqvio, a nova droga foi aprovada para uso pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados do Reino Unido no dia 31 de agosto.




Como mostra o jornal britânico The Telegraph, o inclisiran pertence à nova classe de medicamentos descritos como “silenciadores de genes”. É uma tecnologia avançada que revolucionará os tratamentos médicos para doenças genéticas e câncer.

“O silenciamento de genes transformará a medicina para sempre, e o método de aplicação é uma mudança de jogo na prática”, diz Kausik Ray, da universidade Imperial College, de Londres, que conduz pesquisas sobre a droga da Novartis, citado pelo periódico.

O acúmulo de colesterol nas paredes dos vasos sanguíneos, estreitando-os e reduzindo o fluxo sanguíneo para o coração ou cérebro, aumenta o risco de ataque cardíaco ou derrame. Enquanto as estatinas diminuem a produção de colesterol no fígado, o inclisiran funciona de uma maneira diferente, explica o The Telegraph. O remédio tem como alvo o gene que produz a proteína PCSK9, que induz o fígado a absorver mais colesterol LDL (ruim) do sangue e a quebrá-lo.


Os estudos de Kausik Ray mostram que o tratamento com injeções de inclisiran reduz o nível de colesterol ruim em 50% em apenas duas semanas, o que é infinitamente superior aos comprimidos de estatinas, revela o jornal britânico.

“Quando eu estava na faculdade de medicina no final dos anos 1980, o colesterol alto era tratado com a ingestão de três enormes milkshakes com gosto de papelão. Isso baixou o colesterol ‘ruim’ em 20%. Hoje temos estatinas orais, que o reduzem em 50% ao longo do tempo. Agora, a injeção reduzirá seu colesterol pela metade em apenas duas semanas”, comenta o pesquisador da Imperial College ao The Telegraph.

A recomendação de uso do Legvio é uma injeção inicial, seguida por outra após três meses. A partir de então, bastam duas administrações do medicamento por ano.

Como mostra o jornal, o governo britânico se comprometeu a tratar 300.000 pessoas com inclisiran nos próximos três anos, embora os pacientes de Kausik Ray comecem a receber suas primeiras doses nas próximas semanas.

Os primeiros candidatos serão indivíduos de alto risco que já tiveram ataque cardíaco ou derrame, e cujos níveis de colesterol continuam altos, apesar do uso de medicação, mas o plano é estender o tratamento de forma mais ampla nos próximos anos, diz o The Telegraph.